Multiversos

Com Amor, Van Gogh

Crítica Com Amor, Van Gogh

Nível Épico

A beleza da arte pela arte

(Loving Vincent) – Mistério. Reino Unido, 2017. De Dorota Kobiela e Hugh Welchman. Com Douglas Booth, Saoirse Ronan, Jerome Flynn, Eleanor Tomlinson, Helen McCrory, Robert Gulaczyk e Aidan Turner. 1h34min. Distribuidora: Europa Filmes. Classificação: 12 anos.

Como escrever uma carta de amor? Mesmo para alguém que escreve todos os dias, é uma pergunta difícil de se responder. Os diretores Dorota Kobiela e Hugh Welchman começam a fazê-lo, curiosamente, pelo fim. Ou, no caso, pelo momento do fim. Com Amor, Van Gogh é uma obra que une projeto gráfico elaborado e bem pensado à busca por desvendar um mistério: o que aconteceu com Vincent van Gogh em seus últimos meses de vida? Enquanto transita por diversas respostas, revela-se uma experiência única em termos visuais e sensoriais.

Acompanhamos a jornada de Armand, filho do carteiro Roulin, que recebe do pai a tarefa de entregar a última carta de Vincent a seu irmão, Theo. A morte do pintor aconteceu há algum tempo e Roulin, que era um bom amigo de Van Gogh, tentou várias vezes encontrar o endereço de Theo para entregar a carta. Armand é relutante em ajudar, mas é convencido pelo pai. Durante a viagem, descobre que Theo também faleceu e decide ir até Auvres, o local onde Van Gogh passou por tratamento psiquiátrico após corta a orelha. Motivado pelo impacto emocional que cercava a história do pintor, Armand se torna uma espécie de detetive, tentando descobrir o mistério por trás do dia da morte de Vincent van Gogh.

A ideia é ousada por si só. Os realizadores trabalharam com mais de 100 artistas, escolhidos entre mais de 2.500 avaliados, para compor uma obra de mais de 65 mil quadros pintados a óleo, que levou seis anos para ser concluída em forma de filme animado. Cada peça de Com Amor, Van Gogh é inspirada nos trabalhos do pintor, nos enquadramentos que ele aplicava em suas pinturas e nas cartas que escrevia para o irmão, tudo reunido em uma história marcante e visualmente arrebatadora.

Não há como assistir ao filme e não ser envolvido por suas pinceladas ondulantes, seus brilhos floridos, suas noites estreladas. A natureza morta ganha vida em meio à nuvens selvagens e espirais solares. Retratos e autorretratos se transformam em pessoas reais. A visão de mundo de Van Gogh, o que ele via de belo e terrível, se torna a nossa visão enquanto público. Há um reencontro com as grandes pinturas, “Quarto em Arles”, “O Café à Noite”, “Campo de Trigo com Corvos”, ou a jovem ao piano, Marguerite Gachet, a filha do doutor Paul Gachet, que supervisionou Van Gogh no final de sua vida. O doutor também foi retratado, assim como o pai de Armand, o carteiro Joseph Roulin, provavelmente um dos poucos amigos verdadeiros que Van Gogh teve na vida. Armand Roulin, que assume o papel de protagonista, era também um dos retratados pelo artista. Todas as peças, mesmo as mais inesperadas, se encaixam lindamente para a construção do filme. Lugares, coisas e personagens se conectam em imagens que fazem sentido e possuem contexto. Pelo olhar de Com Amor, Van Gogh, conhecemos um pouco mais sobre o próprio Vincent van Gogh, que pintava a vida por onde passava, em uma maravilhosa jornada através de um universo de cores e emoções.

Para a narrativa em si, os cineastas usam um truque: todos os flashbacks, que mostram Vincent van Gogh no passado, ainda vivo, são desenhos em preto e branco, enquanto Armand e sua investigação estão em cores. É como se Armand estivesse inevitavelmente envolvido pela vida de Van Gogh. As passagens em preto e branco têm muito mais velocidade, são ricas em detalhes e mais introspectivas, enquanto as pinturas a óleo, vibrantes e multicoloridas, são mais autônomas e têm um efeito muito mais emocional.

A história do artista incompreendido, que foi considerado louco e fracassado enquanto era vivo, é universalmente conhecida, mas o filme não deseja apenas de desenhar uma biografia. Os fatos conhecidos são reinterpretados, como a amizade com o médico Gachet e sua filha, assim como as próprias pinturas do artista, que também possuem seu papel na interpretação. Na verdade, Kobiela e Welchman estão tentando entender o mistério da morte de Van Gogh que persiste até hoje, e que, provavelmente, persistirá sem ser desvendado. Continuará a ser parte do mito de um homem que se tornou mítico. Enquanto procuram por suas respostas, eles apenas escrevem sua carta de amor. E, à despeito do quão difícil possa ser, o fazem com uma beleza de arrancar lágrimas dos olhos.

Com Amor, Van Gogh Alan Barcelos
Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Dia do Hambúrguer

Arquivos do Blog

Blogs Favoritos

Blog Favorito

Blog Favorito

Blog Favorito