Colunas

Ode a John Hurt

Sempre respeitei muito o trabalho de John Hurt como ator. Ainda respeito. Mesmo agora que ele se foi. No dia 27 de janeiro, uma sexta-feira, Hurt faleceu após perder a batalha para um câncer no pâncreas que enfrentava desde 2015. Em 77 anos de vida, conquistou reconhecimento e admiração pelos honoráveis serviços prestados ao cinema, aos palcos e à televisão em uma carreira eclética e prolífica.


O Estrangulador de Rillington Place (1971)

O primeiro papel principal de Hurt foi como o fracassado Timothy Evans, acusado pelos assassinatos cometidos por seu vizinho John Christie. Richard Attenborough criou um assassino frio e horripilante, mas Hurt o superou como o injustiçado Evans.


Vida Nua (1975)

Hurt ganhou bastante destaque através de uma adaptação em filme para TV das memórias de Quentin Crisp. Hurt desempenhou o papel do escritor inglês que se vestia de mulher com dedicação e sensibilidade. Hurt, no papel, e o próprio Crisp ajudaram a transformar as atitudes em relação à homossexualidade nos anos 1970. Na época, Hurt foi recomendado a não aceitar o papel porque isso poderia acabar com sua carreira. No fim das contas, foi um grande sucesso e Hurt apenas cresceu na carreira. Ele retornou ao papel em 2009.


O Expresso da Meia-Noite (1978)

Filme sobre prisioneiros no exterior, controverso pela maneira como retrata a Turquia. Hurt aparece em uma performance enérgica, tão impactante que o fez ganhar uma indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante.


Alien, o Oitavo Passageiro (1979)

Hurt interpreta Kane, um dos tripulantes da nave Nostromo. Ridley Scott costumava surpreender os atores para arrancar emoções reais durante as cenas mais chocantes. Em uma dessas, Hurt vê com uma expressão genuína de tormento uma alien sair da sua barriga. Uma das cenas mais icônicas do cinema.


O Homem Elefante (1980)

John Hurt interpreta como John Merrick, um britânico do século XIX portador de uma doença que provocou terríveis deformidades em 90% do seu corpo. Hurt ofereceu uma performance emocionante, de rasgar o coração, como o homem tratado como aberração da natureza. A maquiagem levava 12 horas para ser feita e rendeu ao ator uma indicação ao Oscar.


1984 (1984)

Hurt nasceu para ser Winston Smith, sem dúvida alguma. Ele desempenhou o papel com um brilho reprimido que aludia ao personagem do livro de George Orwell, adaptado para a tela em um filme de atmosfera pesada e sombria.


Amor e Morte (1997)

Adaptação do romance de Gilbert Adair em que Hurt interpreta um escritor britânico terrivelmente civilizado que se torna obcecado por um ídolo adolescente imaturo interpretado por Jason Priestley. O filme tem um tom de comédia leve e Hurt dizia ter um carinho especial por ele.


Harry Potter e a Pedra Filosofal (2001)

Hurt interpretou o criador de varinhas Garrick Ollivander no primeiro filme de Potter e no Relíquias da Morte Parte 2. Suas cenas foram cortadas de Cálice de Fogo. Ele se tornou amplamente conhecido para toda uma nova geração de fãs graças a esse papel.


Hellboy (2004)

Ron Perlman se tornou amigo de John Hurt quando o lendário o ator interpretou o professor Trevor Bruttenholm, pai do personagem-título. Em homenagem ao amigo, Perlman disse: “Ele era um belo homem”, uma percepção do homem que se misturava com a percepção passada pelo seu personagem professor no filme. Hurt possui um misto de rigidez e amabilidade que poderíamos associar a um professor. Perlman também disse: “Eu me sinto mal por qualquer pessoa que não o conhecia.”


V de Vingança (2005)

O Alto Chanceler Adam Sutler é a versão de Adam James Susan no filme baseado na graphic novel de Alan Moore e David Lloyd. O nome é uma junção de “Susan” e “Hitler”, a quem Hurt deu vida como uma terrível representação do totalitarismo e da disseminação do medo. Curioso é que este filme o colocou em um papel que era extremo oposto ao seu papel em 1984.


Doctor Who (2013)

Hurt era um homem versátil, de muitas faces. Nos últimos anos interpretou Control em O Espião Que Sabia Demais (2011), um vampiro de séculos chamado Christopher Marlowe em maravilhoso Amantes Eternos (2013) e o guru Gilliam em Snowpiercer: Expresso do Amanhã (2013). E por ser um homem de muitas faces, e um nobre cavaleiro britânico, Sir John Hurt, nada mais justo que ele fosse também um Doctor. Hurt interpretou o Doctor da Guerra, também em 2013, nos especiais de comemoração do aniversário dos 50 anos de Doctor Who. Por um momento, ele carregou consigo o coração do Doctor e de seus inúmeros fãs. Ao saber de seu falecimento, senti um aperto no peito. Desejei de todo coração que o homem que um dia foi o Doctor pudesse se regenerar.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Inscreva-se no Canal

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Capitão Fantástico

Capitão Fantástico

O Homem nas Trevas

O Homem nas Trevas

Nível Épico em Imagens

Google Plus

Facebook

SoundCloud