Cultura Pop

Aquarius

Aquarius

Nível Épico

O furacão Sonia Braga

(Aquarius) – Drama. Brasil, 2016. De Kleber Mendonça Filho. Com Sonia Braga, Maeve Jinkings, Humberto Carrão, Irandhir Santos, Julia Bernat, Barbara Colen, Carla Ribas e Thaia Perez. 2h25min. Distribuidora: Vitrine Filmes. Classificação: 16 anos.

A ascensão do mercado imobiliário brasileiro nos últimos anos foi feita sem planejamento urbano, atendendo muito mais aos investidores do que propriamente à população. Preços altos, aumento da densidade populacional de certas áreas, parte da população mais pobre tendo que ir morar em lugares mais afastados. Isso sem contar a ausência de política de transporte público para acompanhar essas mudanças. Estas foram algumas das consequências, que aos poucos vão mudando a vida nas cidades, e que não eram objetos de grandes reflexões fora do meio acadêmico. Curioso que é justamente deste cenário que sai o grande filme brasileiro dos últimos anos: Aquarius.

Nele conhecemos Clara (Barbara Colen e Sonia Braga), jornalista e escritora, especializada em música, que no passado teve que encarar um câncer e hoje é uma viúva que reside no prédio que intitula o filme. De frente para a praia de Boa Viagem, ela só quer passar seus últimos anos tranquila, fazendo o que gosta e em volta das memórias que cultiva. No entanto, ela é a última residente do prédio, uma vez que todas as outras unidades já foram vendidas para uma grande construtora, que pretende pô-lo abaixo e botar em seu lugar uma construção imponente e moderna, mas totalmente padronizada, sem ligações com a história do local.

Mas como diria Garrincha, faltou combinar com os russos. Clara não tem a menor pretensão de sair de lá. Ela vive de rendas, não precisa do dinheiro, mas é no Aquarius que ela construiu seu lar. À medida que o conflito avança, ela se torna uma resistente, por contrariar a lógica das relações sociais impostas pelo grande capital. Não se trata de luta de classes, pois a protagonista não é pobre. Ela apenas se recusa a seguir a cartilha de que tudo se traduz em termos financeiros, que tudo se resume a fazer dinheiro. Sua memória, sua história, sua paz, não há dinheiro suficiente que compre isso.

Um destaque especial deve ser feito à trilha sonora, que casa muito bem com o filme. É pela música que entramos nas emoções de Clara. Assim, ela consegue nossa simpatia. Os diálogos também são muito bons, naturais, mas bastante afiados. O elenco todo está bem, todos em sintonia, com o destaque, é claro, para a atuação deslumbrante de Sonia Braga. A personagem de Clara parece ter sido escrita especialmente para ela, que consegue transmitir toda a força da protagonista. Sem Sonia Braga, a obra não funcionaria de forma tão orgânica.

O curioso é que o filme se constrói em cima de dicotomias. Clara tem uma coleção imensa de LPs, mas não rejeita a música em formato digital. Contudo, para a jovem que a entrevista pro jornal local, isto passa batido, não é possível o meio-termo. Da mesma forma, o jovem empreendedor disposto a tudo para vencer não consegue compreender o apego de Clara por sua moradia. Ou a namorada de seu sobrinho que vem do Rio e descobre que a praia dos ricos e a praia dos pobres possui como divisória o esgoto não tratado que percorre a areia e deságua no mar. Podemos lembrar ainda dos próprios filhos de Clara, que não entendem o motivo da mãe não querer se mudar.

E dessas divisões e contradições vão surgindo as (im)possibilidades comunicativas. Quando há espaço para o amor, tudo é perdoado. Entretanto, quando se traduzem em dinheiro, o conflito é inevitável. E o sistema financeiro joga sujo, querendo, por bem ou por mal, forçar a imposição de sua lógica. Para ele não há outro lado, ou você se junta ou ele vai tentar te destruir.

É nisto que resulta o aspecto político do filme. Em primeiro plano, temos um belo estudo de personagem, mas no pano de fundo há a vontade de resistir, de gritar que outra visão é possível. Não se trata de rejeitar o dinheiro, mas de impedi-lo de comandar a vida em todos os seus aspectos. Neste sentido, Clara é a grande representante de quem não simplesmente aceita como inevitável essa lógica que, sob a aparência de democrática (poder de escolha), na verdade usa tanto a sedução como a força para impor uma verdade única e que não pode ser questionada. A saída está na arte, no amor, na memória afetiva e na preservação da História. Cada um é que sabe o que lhe faz ser feliz. E nenhum preço é suficiente para nos fazer abrir mão de quem somos.

Aquarius Rafael Monteiro
Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Dia do Hambúrguer

Arquivos do Blog

Blogs Favoritos

Blog Favorito

Blog Favorito

Blog Favorito