Acervo

A Nova Fronteira

A Nova Fronteira

Nível Épico

Heróis no auge da Guerra Fria e do Macarthismo

(DC: The New Frontier) – Ação. Estados Unidos, 2004. De Darwyn Cooke. Com Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Caçador de Marte, Flash, Lanterna Verde (Hal Jordan), Aquaman, Os Perdedores, Esquadrão Suicida, Rick Flagg. Editora Panini. 02 volumes de 208 páginas cada.

No dia 14 de maio de 2016, perdemos o artista Darwyn Cooke, falecido vítima de câncer. Com seu traço lembrando desenhos animados clássicos (ele trabalhou na equipe de Batman The Animated Series, entre outros), conquistou os fãs dos quadrinhos de super-heróis por suas histórias que sempre traziam uma visão moderna destes, mas com um toque dos clássicos do gênero. Embora tenha produzido bastante, sua obra mais marcante sem dúvida foi A Nova Fronteira, publicada pela DC Comics.

Publicada originalmente como uma série em seis edições, posteriormente encadernada em dois volumes, a trama de A Nova Fronteira busca fazer uma ponte entre o fim da Era de Ouro e o início da Era de Prata dos quadrinhos. Começamos no fim da Segunda Guerra, e vamos acompanhando o desenrolar do Universo DC até chegarmos à formação da Liga da Justiça.

Anos 1950, auge da Guerra Fria e do Macarthismo. Em meio aos conflitos da época, novos heróis surgem para, em meio a uma trama de mistério envolvendo alienígenas, unirem forças.

O que a princípio poderia se basear em pura nostalgia, nas mãos de Cooke vira um trabalho de fôlego e consistência. Durante suas 400 páginas, os anos 1950 são mostrados sem muitos rodeios, com toda a paranoia, racismo e desigualdade social e de gênero que então existiam. Em meio às turbulências, vemos os heróis da DC aprenderem a usar seus poderes e a interagir uns com os outros.

O curioso é que o foco é na vida pessoal dos heróis. A primeira metade da história segue em ritmo meio lento, onde são apresentados os dilemas individuais de cada um. Aos poucos, o que parece desconexo vai se ligando, até chegar ao grande final onde todos se unem pela primeira vez.

A Nova Fronteira

É esse lado humano que garante alguns momentos tocantes, como a derrota dos Perdedores, o Caçador de Marte tentando se integrar à sociedade dos humanos e a escolha trágica de Hal Jordan durante a Guerra da Coréia (não vou contar para não estragar a surpresa). É só depois de sofrer e amadurecer que surge o caráter heroico dos personagens. Não são seus poderes que os tornam especiais, mas o fato de tentarem sempre se superar e acreditar no melhor da humanidade.

Num período onde muitos confundem histórias adultas com violência e cinismo, Darwyn Cooke mostrou que se pode falar de temas difíceis de forma madura, sem alterar a essência do que é ser super-herói: alguém que inspira o melhor de todos nós. Por isso, fica aqui nossa homenagem a este grande artista. Que sua obra sirva de inspiração para todos nós.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Dia do Hambúrguer

Arquivos do Blog

Blogs Favoritos

Blog Favorito

Blog Favorito

Blog Favorito