Filmes

Globo de Ouro 2015 – A Consagração de Boyhood e The Affair

Enquanto artistas e cineastas faziam uma grande demonstração de seu apoio à liberdade de expressão e os direitos de todos — com o movimento Je Suis Charlie —, alguns filmes pessoais, Boyhood e Grande Hotel Budapeste, levavam os prêmios de cinema durante a 72ª edição do Globo de Ouro (Golden Globe Awards).

O Globo de Ouro 2015 premiou não apenas uma lista de celebridades; também premiou produções mais ousadas, que mereciam reconhecimento, e não obstante, ainda privilegiou a diversidade em suas escolhas. Os prêmios, como muitos de vocês devem saber, são entregues anualmente, escolhidos por membros da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood (Hollywood Foreign Press Association, HFPA), formada por jornalistas da imprensa estrangeira sediados em Los Angeles.

Mesmo as anfitriãs, Tina Fey e Amy Poehler, abordaram uma variedade de temas oportunos e tabus, incluindo o Sony Hack, Coreia do Norte e Bill Cosby. Talvez este não seja ainda um novo modo de apresentar o Globo de Ouro, mas essa premiação, muitas vezes menosprezada perante o Oscar, parece ter ganhado novos ares e está crescendo a cada ano, pronto para se tornar algo mais. Quanto ao que tudo isso significa para o Oscar, cujas indicações serão anunciadas no dia 15 de janeiro, muitos campos parecem mais abertos do que nunca.

Globo de Ouro 2015

Boyhood, de Richard Linklater, dominou a premiação e ganhou a maior honra da noite, o melhor filme drama, assim como melhor diretor para Linklater e melhor atriz coadjuvante para Patricia Arquette. Ellar Coltrane, que interpreta o menino, iniciou o projeto com sete anos de idade. O filme, que levou 12 anos para ser filmado, cativou tanto o público quanto a crítica, e por isso mesmo, surgiu como um dos competidores principais aos prêmios do ano (embora isso possa mudar quando as indicações ao Oscar forem anunciadas). Boyhood desponta como um potencial ganhador ao Oscar, e tem grandes chances para isso, embora eu ainda ache que Birdman vai disputar o páreo no Oscar com mais vigor.

Os outros indicados a melhor do drama foram Foxcatcher, O Jogo da Imitação, Selma e Teoria de Tudo.

Eddie Redmayne, por Teoria de Tudo, e Julianne Moore, por Para Sempre Alice, receberam as honras de melhor ator e atriz em drama.

Redmayne faz o papel do brilhante físico Stephen Hawking, que foi diagnosticado com doença do neurônio motor com 21 anos. O ator foi elogiado por sua representação hábil do declínio físico gradual de Hawking, eventualmente, usando apenas seus olhos e um sorriso torto para expressar o que se passava em sua mente. Redmayne venceu Steve Carell (Foxcatcher), Benedict Cumberbatch (O Jogo da Imitação), Jake Gyllenhaal (O Abutre) e David Oyelowo (Selma).

No desempenho mais aclamado por uma atriz nesta temporada de premiações, Moore tem uma atuação emocionante como uma professora diagnosticada com o início precoce do Mal de Alzheimer. As outras indicadas foram: Jennifer Aniston (Cake), Felicity Jones (Teoria de Tudo), Rosamund Pike (Garota Exemplar) e Reese Witherspoon (Livre).

Birdman, de Alejandro Gonzalez Iñarritu, também se saiu bem; ganhou melhor ator em comédia ou musical por seu protagonista, Michael Keaton, que interpreta uma ex-estrela de filmes de super-herói marcado pelos dramas de sua própria carreira. Também levou por melhor roteiro.

Refletindo sobre sua vida, Keaton quase chorou ao agradecer seu filho, a quem ele chamava de melhor amigo — isso porque, segundo ele próprio, tinha prometido não chorar caso ganhasse. O discurso emocionado de Keaton definitivamente zerou a noite para mim. Ele é o Batman. Sempre será. E agora, ele também é o Birdman.

Na categoria de melhor filme de comédia ou musical, muitos também esperavam que o prêmio iria para Birdman, mas o ganhador da noite foi Grande Hotel Budapeste, um prêmio muito merecido (esse é um dos filmes mais apaixonantes que eu vi nos últimos anos, e merece todos os prêmios que levar).

Dirigido por Wes Anderson, o filme é uma mistura visualmente suntuosa de cinema e estilo teatral, estrelado por Ralph Fiennes como o pomposo concierge de um resort da Europa Oriental entre as duas guerras mundiais. Outros indicados na categoria eram Caminhos da Floresta, Pride e St.Vincent.

O primeiro prêmio da noite foi para JK Simmons, de melhor ator coadjuvante, por sua atuação como o professor de jazz abusivo do maravilhoso Whiplash. Alguns vencedores foram pegos de surpresa, como Amy Adams ao receber o prêmio de melhor atriz em comédia ou musical por sua atuação em Grandes Olhos. Outro caso foi o diretor canadense Dean DeBlois, que recebeu o prêmio de Melhor Filme de Animação para Como Treinar o Seu Dragão 2, quando muitos esperavam por uma vitória de Operação Big Hero 6 (eu estava torcendo para Festa no Céu, aquela coisa linda).

Como um grande prêmio que privilegia tanto os filmes quanto os programas de televisão, o Globo de Ouro mostrou novamente a força da televisão, que vem ganhando cada vez mais terreno e respeito na cultura pop com suas produções.

A jovem atriz Gina Rodriguez, da série Jane the Virgin, levou para casa o prêmio de melhor atriz em comédia ou musical para TV. Rodriguez superou estrelas como Julia Louis-Dreyfus e Lena Dunham como melhor atriz de comédia. Ela é a segunda atriz latina a ganhar o prêmio nesta categoria, depois de America Ferrara por Ugly Betty, em 2007.

Transparent, da Amazon, ganhou como melhor comédia; Jeffrey Tambor, que interpreta um homem transgênero que não contou a seus filhos adultos sobre sua história, ganhou o Globo de melhor ator cômico. Visivelmente emocionado, Tambor agradeceu aos organizadores do evento por colocar a série no radar e dedicou seu prêmio para a comunidade transgênero. Como um ator que sempre interpretou papéis coadjuvantes, foi emocionante vê-lo enfim receber esse reconhecimento.

A série do Showtime, The Affair, também em seu primeiro ano, foi homenageada como melhor drama da televisão. Ruth Wilson, que interpreta a garçonete que se envolve com um escritor casado, foi considerada a melhor atriz em um drama.

O show superou Downton Abbey, Game of Thrones, House of Cards e The Good Wife, enquanto Wilson levou o prêmio na disputa com candidatas mais conhecidas: Claire Danes, Viola Davis, Julianna Margulies e Robin Wright.

Co-estrela de Wright em House of Cards, Kevin Spacey, ganhou como melhor ator em um drama de TV, uma categoria que incluía Clive Owen, Liev Schrieber, James Spader e Dominic West. Foi a primeira vitória do Spacey após oito indicações.

Maggie Gyllenhaal ganhou como melhor atriz em uma minissérie pela empresária Nessa Stein no thriller político The Honourable Woman. Ela disse que Hollywood está oferecendo uma maior variedade de papéis para as mulheres. A adaptação do aclamado filme de 1996 dos irmãos Coen, Fargo, tinha cinco indicações e levou melhor minissérie ou filme, assim como melhor ator de minissérie ou filme para Billy Bob Thornton.

O ator Matt Bomer ganhou um Globo de melhor ator coadjuvante em um filme de TV por interpretar um repórter com AIDS em The Normal Heart, da HBO. No palco, ele agradeceu ao seu marido e três filhos. Joanne Froggatt ganhou como melhor atriz coadjuvante por seu papel como Anna Bates em Downton Abbey, surpreendendo aqueles que acreditavam que a série poderia ter perdido o fôlego depois de tantos anos no ar.

George Clooney recebeu um honorável Prêmio Cecil B. DeMille por seu serviço ao entretenimento, e ao subir ao palco, além de falar sobre liberdade de expressão e direitos humanos, fez uma bonita declaração à sua esposa, Amal Alamuddin, com quem se casou recentemente. Um momento simples e adorável para um homem que durante anos nos ofereceu grandes personagens e grandes momentos na TV e no cinema, desde os tempos de ER até o recente Caçadores de Obras-Primas.

Mas o momento mais sensacional foi sem dúvida quando Tina Fey e Amy Poehler anunciaram o prêmio para Clooney: “Amal Alamuddin é uma advogada de direitos humanos, que trabalhou no caso Enron, foi assessora de Kofi Annan sobre a Síria, e foi selecionada para uma comissão de três pessoas da ONU para investigar violações de leis de guerra na Faixa de Gaza. Esta noite… seu marido está recebendo um prêmio por sua história de vida.” Um beijo pra vocês anfitriãs. Vocês são umas lindas.


CINEMA

Filme, Drama: Boyhood.

Atriz, Drama: Julianne Moore; Para Sempre Alice.

Ator, Drama: Eddie Redmayne; Teoria de Tudo.

Diretor: Richard Linklater; Boyhood.

Filme, Musical ou Comédia: Grande Hotel Budapeste.

Ator, Musical ou Comédia: Michael Keaton; Birdman.

Atriz, Musical ou Comédia: Amy Adams; Grandes Olhos.

Ator Coadjuvante: JK Simmons; Whiplash.

Atriz Coadjuvante: Patricia Arquette; Boyhood.

Filme de Animação: Como Treinar o Seu Dragão 2.

Roteiro: Alejandro Gonzalez Iñarritu, Nicolas Giacobone, Alexander Dinelaris, Armando Bo; Birdman.

Trilha Sonora Original: Jóhann Jóhannsson; Teoria de Tudo.

Canção Original: Glory (música de John Legend, Common); Selma.


TELEVISÃO

Série, Drama: The Affair.

Ator, Drama: Kevin Spacey; House of Cards.

Atriz, Drama: Ruth Wilson; The Affair.

Série, Musical ou Comédia: Transparent.

Atriz, Musical ou Comédia: Gina Rodriguez; Jane the Virgin.

Ator, Musical ou Comédia: Jeffrey Tambor; Transparent.

Minissérie ou Filme: Fargo.

Atriz, Minissérie ou Filme: Maggie Gyllenhaal; The Honourable Woman.

Ator, Minissérie ou Filme: Billy Bob Thornton; Fargo.

Atriz Coadjuvante, Série, Minissérie ou Filme: Joanne Froggatt; Downton Abbey.

Ator Coadjuvante, Série, Minissérie ou Filme: Matt Bomer; The Normal Heart.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Nível Épico em Imagens

Facebook

Google Plus