Você Viu?

Geoff Johns Fala Sobre Um MULTIVERSO DC Com Filmes e Séries de TV

Multiverso DC

Arrow, The Flash, Gotham e, a partir de 24 de outubro, Constantine, serão quatro adaptações dos quadrinhos da DC Comics para a televisão. Por outro lado, a DC/Warner movimentou as coisas quando revelou seu line-up de filmes no universo compartilhado no cinema, que inclui um filme solo do Flash previsto para 2018, que será estrelado por Ezra Miller, e não Grant Gustin, o Flash da série do The CW.

Isso já era esperado por causa das declarações do Diretor de Criação da DC, Geoff Johns, de que os universos da TV e do cinema permaneceriam separados. Agora, em uma entrevista ao BuzzFeed, Johns parece ter uma visão um pouco diferente sobre televisão e cinema, e disse que eles poderiam co-existir.

“Arrow e Flash são do mesmo universo, e nós temos várias grandes histórias para episódios em que eles se cruzam, mas é também onde nosso universo de super-heróis pulsa. Nós olhamos para isso como um Multiverso. Nós temos nosso universo da TV e nosso universo do cinema, mas todos eles co-existem. Para nós, criativamente, trata-se de permitir que cada um faça o melhor produto possível, para contar a melhor história, para fazer o melhor mundo. Todos têm um ponto de vista e realmente queremos deixar os pontos de vista brilharem. Eu acho que os personagens são icônicos o suficiente. Eu gosto muito de Agents of SHIELD, e gosto do que a Marvel faz. Sou um grande fã. Nosso caso é apenas uma abordagem diferente.” — disse Johns.

Embora o conceito de um multiverso dos quadrinhos, naturalmente, não seja exclusivo da DC, a editora é bastante conhecida por vários eventos famosos envolvendo múltiplos universos e configurações de seus heróis, da Crise nas Infinitas Terras até a recente Ponto de Ignição que deu início aos Novos 52. Enquanto Johns reconhece que, quando se trata de DC e Marvel, ambas estão “abraçando” seus respectivos materiais — a fidelidade da série The Flash é um exemplo —, parece claro que Johns e DC estão desenvolvendo seus projetos um de cada vez.

“Nós queremos ser políticos. A última coisa no mundo que nós queremos é dizer ‘não’ a alguma coisa. A melhor coisa que podemos fazer é trabalhar com os produtos e tentar acrescentar e colaborar de modo a expandir as coisas. O papel de Nuclear na série The Flash cresceu naturalmente, e agora se tornou algo grande e ótimo porque podemos mostrar o Nuclear mais detalhadamente, seus inimigos e tudo mais. A chave para tudo isso é expor mais do universo DC e os quadrinhos da Vertigo para as pessoas, de modo que elas possam se apaixonar por esses personagens também.” — complementou o Diretor de Criação.

Para a GRANDE QUESTÃO sobre a possibilidade de os filmes e as séries se conectarem em algum momento, Johns respondeu: — “Temos conversado sobre isso ao longo dos anos, obviamente. Nunca diga nunca. Talvez um dia nós vamos vincular uma série a um filme se fizer sentido, mas o processo criativo pelo qual estamos passando agora é deixar cada um criar sua própria identidade e crescer por si próprio.”

Johns aparentemente está sendo cauteloso, o que faz sentido, já que esse tipo de iniciativa exige altos níveis de planejamento. Agents of SHIELD, por exemplo, durante pelo menos dois terços de sua primeira temporada, se manteve reticente e controlada na forma de estabelecer suas conexões com os filmes, até que os acontecimentos de Capitão América: O Soldado Invernal mudaram o status quo da série, e tudo melhorou absurdamente depois.

Sobre Ezra Miller como Flash no cinema, ao ser perguntado se o anúncio da escalação do ator seria um sinal claro de que os universos seriam distintos, Johns disse: — “Tínhamos conversado sobre isso antes de ser distintos, mas eu realmente não posso falar sobre os filmes. Nós realmente não entramos em detalhes sobre o que essa coisa, e eu não quero que fique muito detalhado ainda. Uma coisa legal que estão fazendo com Grant Gustin e Stephen Amell, respectivamente, em ambas as séries (The Flash e Arrow) é explorar diferentes partes do Universo DC. Existe um potencial ilimitado nelas.”

Se pode ou não acontecer um crossover entre cinema e TV ainda não dá para ter plena certeza, mas é bom saber que os envolvidos na construção desses universo estão pelo menos pensando no assunto. Ainda assim, o foco de Johns e da DC está em explorar personagens que podem nunca aparecer em um de seus filmes maiores. Johns também contou que Constantine terá a participação de Jim Corrigan, o Espectro, e falou sobre o capacete do Doutor Destino que aparece no episódio piloto: — “Pode ser que vejam o Dr. Destino em um episódio de Constantine e de repente gostem do personagem e decidam trabalhá-lo melhor mais tarde, e se ele tiver aceitação para uma série de TV, é isso que queremos que aconteça. Queremos inspirar as pessoas com este material. Por exemplo, o Gorila Grodd estará na série do Flash. Isso é loucura. Eu digo isso em voz alta e eu ainda acho que é uma loucura. Mas isso é o que queremos fazer; queremos abrir novos caminhos. Assim como Nuclear vai ser visto em live-action! Nós vamos ter um filme da Liga da Justiça! É sensacional! Se você é um fã de super-heróis ou histórias em quadrinhos, ver todas essas coisas ganhando vida, e feito com habilidade e talento… há alguns anos, nunca poderíamos fazer um Flash com estes efeitos especiais da série do The CW.”

Johns também reconheceu que a adaptação bem sucedida dos poderes do Flash para a televisão o fez pensar sobre outras histórias da DC que ele achava que não poderiam ser adaptadas: — “Arrow foi um passo, Flash foi um passo, e um projeto de Supergirl é o próximo passo, porque ela voa! Estamos muito confiantes nisso. Se conseguimos fazer um cara correr em supervelocidade e um cara que cria um tornado (o vilão do episódio piloto da série The Flash), provavelmente podemos fazer alguém voar.”

Inicialmente confesso que pensei na separação dos universos da DC no cinema e na TV como uma oportunidade perdida, mas depois que comecei a pensar na possibilidades desses universo se encontrarem na Crise das Infinitas Terras, minha cabeça mudou completamente… e comecei a pensar EM QUÃO FODA seriam todas as imensas possibilidades disso! Fico muito feliz por saber que Geoff Johns e a DC também pensaram nas possibilidades disso… vamos combinar, é o Geoff Johns… o cara da Noite Mais Densa, do Ponto de Ignição, que revitalizou o Aquaman… é claro que ele pensou na Crisa das Infinitas Terras! E para completar, ainda tem a possibilidade de um Universo Cinemático da Vertigo que Neil Gaiman lançou ao vento… ou seja, o potencial para o Multiverso DC está entre nós, vamos esperar que ele realmente se configure.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Inscreva-se no Canal

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Siga no Bloglovin’

Follow

Vem Com a Gente

Curta e Compartilhe

Aperte o Play

Nível Épico em Imagens