Filmes

Os Mercenários 3

Barney Ross (Sylvester Stallone), Christmas (Jason Statham) e o resto da equipe fica cara-a-cara com Conrad Stonebanks (Mel Gibson), que anos atrás foi co-fundador do grupo de mercenários com Barney. Stonebanks posteriormente tornou-se um comerciante de armas impiedoso e alguém que Barney foi forçado a matar — ou assim ele pensava. — Stonebanks escapou da morte e agora está empreendendo uma missão pessoal de acabar com os mercenários. Para enfrentá-lo, Barney decide trazer sangue novo para a equipe e começa a recrutar soldados mais jovens, mais rápidos e mais adaptados à tecnologia. A mais recente missão dos Mercenários torna-se um choque entre o clássico e o moderno num campo de batalha mais pessoal do que nunca.

(The Expendables 3) – Ação. Estados Unidos, 2014.

De Patrick Hughes. Com Sylvester Stallone, Mel Gibson, Wesley Snipes, Arnold Schwarzenegger, Kelsey Grammer, Antonio Banderas, Jason Statham, Jet Li, Dolph Lundgren, Randy Couture, Terry Crews, Kellan Lutz, Ronda Rousey, Victor Ortiz e Glen Powell. 126min. Classificação: 14 anos.

Os Mercenários 3


OS MERCENÁRIOS 3 – CRÍTICA

Tanto em sua premissa quanto no desenvolvimento de sua história, Os Mercenários 3 busca renovação. Quando se considera que o filme hoje em dia tem a geração atual como público-alvo, torna-se compreensível as escolhas narrativas para adaptar o filme para uma classificação indicativa de 14 anos — os dois primeiros Mercenários tinham classificação de 16 anos. — O público dos dois primeiros filmes cresceu com a brutalidade dos épicos de ação oitentistas e noventitas, quando filmes como Programado Para Matar e Comando Para Matar (entre outros) eram exibidos nas sessões da tarde sem grandes preocupações. Hoje em dia as preocupações são maiores, o público mudou, e Sylvester Stallone (enquanto idealizador da franquia) parece compreender que as coisas mudam e continuarão a mudar.

Inserindo atores mais jovens na história, Os Mercenários 3 suaviza um pouco em sua violência extrema e trata seus personagens maiores como homens que estão envelhecendo e precisam do apoio dessa nova geração — ainda que mantenham seu status de mitos a serem respeitados. — No roteiro isso é expressado por Barney ao contratar companheiros mais jovens para sua equipe, e depois pelo fato de ter que lidar com questões que vêm com a juventude, como impetuosidade, afobação ou inexperiência — questões que, em geral, sempre contribuem para ~dar merda. — E quando dá merda é claro que os únicos que podem realmente consertar as coisas são os veteranos fodões.

Os mercenários novatos funcionam mais como versões mais jovens dos veteranos. O maior destaque fica por conta da lutadora de MMA Ronda Rousey, que se mostra extremamente habilidosa em ação e também se revela uma líder eficiente. Com os membros mais jovens, o filme parece interessado em abrir caminho para as missões de uma nova geração, um grupo de mercenários em processo de crescimento, talvez sob tutoria de um Stallone que tenha aposentado suas armas. Essa é uma possibilidade para o futuro da franquia. Essa é uma possibilidade para Os Mercenários 4.

O que mais movimenta as peças de Os Mercenários 3, contudo, é sua obsessão nostálgica para com os feitos do passado cinematográfico de seus heróis — da mesma forma que acontece (principalmente) em Os Mercenários 2. — Não se trata apenas de diversão despretensiosa e descerebrada. Também se trata disso na verdade. Mas não é só isso. O filme tem bastante consciência das linhas que amarram sua premissa. São heróis da antiga nos lembrando por que eles são heróis da antiga. Estamos falando de homens cujos atos nós acompanhamos desde a infância. Eles marcaram nossas vidas e tem nosso respeito eterno. O filme sabe disso e oferece um bocado de sequências para levar os fãs de Stallone, Schwarzenegger, Snipes e Gibson ao delírio.

Cabe ressaltar também a adição de alguns novos caras ao elenco. Antonio Banderas é um deles, que tem história no cinema com Stallone, quando os dois interpretaram antagonistas em Assassinos. Banderas poderia simplesmente criar um personagem semelhante ao seu assassino, mas ao invés disso, ele cria um tremendo alivio cômico, tão chato, tão falastrão e tão bizarro, que no final é engraçado. O próprio Mel Gibson como vilão, de vez em quando, tem acenos para um de seus personagens mais clássicos: Martin Riggs, de Máquina Mortífera, às vezes até meio misturado com a loucura feroz de Mad Max. Ele não é o único. Harrison Ford também parece uma mistura de Han Solo com Indiana Jones. Wesley Snipes chega arrasando quarteirão com uma entrada triunfal em um trem, que não é um Assalto Sobre Trilhos, é mais um Demolidor sobre trilhos. Além disso o cara é o Blade. E o Passageiro 57. COMO É FODA! Há ainda a sensacional piada interna: os mercenários resgatando Wesley Snipes da prisão — você sabe que Snipes passou três anos preso por sonegação fiscal, não sabe? — Mais legal ainda é: bem-vindo de volta à porradaria Wesley Snipes!

Os Mercenários 3 ainda tem um pouco daquele clima dos filmes de ação dos anos 80 e 90, de onde veio grande parte de seu elenco principal, e ao mesmo tempo, sabe que está envelhecendo junto com seus atores principais e precisa se renovar. Esse terceiro filme da franquia traz muitos atores novos para o grupo, com o objetivo de passar a tocha para uma nova geração, e também atingir um público mais jovem. Isso fica claro no nível reduzido de violência e derramamento de sangue se comparado aos longas anteriores, e no uso excessivo de efeitos de computação gráfica ao invés de efeitos mais práticos. Ainda assim Os Mercenários 3 é um filme de ação espetacular, que sabe o que está fazendo, e que nos relembra o tempo todo momentos icônicos de filmes clássicos de seus brucutus. Arnold Schwarzenegger parece estar se divertindo como nunca, fazendo valer cada cena e cada tirada épica! E o que pode ser mais SENSACIONAL do que ver o Rambo e o Blade enfrentando um Martin Riggs do mal?!

Os Mercenários 3

Os Mercenários 3

Os Mercenários 3

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



  • Silvestry

    Muito bom esse comentário sobre os nossos heróis da década de 80 e90 , ,mesmo que um dia o Nosso grande astro Silvester Stallone não faça + filmes de ação sempre vai ser lembrado por muitos eu em particular tenho uma coletânea de 35 dvds do Sly , parabens por este comentário postado.

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Obrigado! Parabéns pela coletânea… foda! :)

Nível Épico em Imagens

Facebook

Google Plus