Filmes

No Limite do Amanhã

All You Need Is Kill é uma light novel escrita por Hiroshi Sakurazaka; uma dessas histórias que chama atenção pela premissa mirabolante e intrincada. É uma história que, à primeira vista, pareceria exagerada para os padrões do cinema norte-americano. Filmes sobre alienígenas devastando o mundo são comuns. Filmes sobre viagens no tempo também. Filmes que vinculam as duas propostas são mais difíceis de encontrar — e se eu for pensar em algum instintivamente, me lembro primeiro de O Retorno, que é justamente um filme japonês. — A light novel aproveita as duas propostas com eficiência. O filme que adapta a light novel, também. Muita coisa acontece nessa história impressionante, sem perder o rumo ou o foco, provando como uma história bem escrita pode render algo impressionante, especialmente quando foge dos padrões. O melhor de tudo é quando percebemos que é, SIM, possível criar um bom filme baseado em uma história japonesa, sem mudar drasticamente sua essência e seus conceitos — a estreia recente de Godzilla reforça essa premissa.

PREMISSA. Esse é o grande trunfo de No Limite do Amanhã (Edge of Tomorrow, EUA, 2014). Assim como é o grande trunfo da light novel em que é baseado. Existem certas histórias que são capazes de te conquistar apenas pela premissa. Histórias japonesas então; são absurdamente eficientes nisso. Especialmente no meu caso. Foi assim que comecei a gostar de animes e mangás. Foi assim que descobri as light novels — romances japoneses que misturam texto rápido e ilustrações normalmente em estilo de anime e mangá. — E foi assim que cheguei a algumas light novels interessantes, como Cavaleiros do Zodíaco: Gigantomaquia, Shakugan no Shana e a própria All You Need Is Kill, que li em inglês porque nem todas essas foram publicadas aqui no Brasil. — O filme cria uma adaptação consistente e valorosa do material de origem, por saber como usar o trunfo de sua premissa, e por saber como usar o trunfo de seu elenco.

No Limite do Amanhã

Com direção segura de Doug Liman (A Identidade Bourne), a história se passa num futuro próximo, quando a raça alienígena dos Mimics (miméticos) invade a Terra, devastando tudo e matando milhões de pessoas. Incapazes de enfrentar sozinhos as armas e as monstruosidades dos Mimics, os exércitos do mundo se unem numa Força de Defesa como última tentativa de parar a invasão.

O tenente-coronel William Cage (Tom Cruise) é um oficial rebaixado e enviado numa missão suicida com um grupo de soldados destreinados e mal-equipados. Durante a missão, Cage é morto, mas leva um dos comandantes alienígenas com ele. Incrivelmente, ele desperta no começo daquele dia infernal, vivo, e se vê forçado a passar pelo dia todo novamente até o momento de sua morte. E quando morre novamente, volta e reprisa tudo de novo, e de novo. O contato com o alien o prendeu em um loop temporal que o obriga a reviver o dia de sua morte indefinidamente. À medida que volta no tempo e revive a experiência, Cage torna-se mais forte, mais ágil, mais inteligente e mais capaz de enfrentar os Mimics, ao lado da experiente combatente Rita Vrataski (Emily Blunt), que também já foi pega num loop temporal assim como Cage. A cada batalha repetida, os dois veem uma chance de derrotar definitivamente os invasores e salvar o planeta.

A trama segue a linha básica da light novel de Sakurazaka, embora sofra algumas típicas adaptações para o cinema norte-americano. O nome do protagonista, por exemplo, é uma adaptação. No original, ele chama-se Keiji Kiriya, enquanto no filme é William Cage. Mas uma curiosidade é que o personagem de Tom Cruise é chamado o tempo todo no filme por seu sobrenome, Cage, que soa exatamente como Keiji.

Doug Liman, auxiliado pela edição competente de James Herbert, cria repetições no tempo sensacionais, que refletem a urgência dos combates e tornam as circunstâncias ainda mais cruéis para os personagens. Especialmente para Cage, que precisa reviver sua morte uma, duas, três, dezenas, centenas de vezes. O teor sombrio dessa super repetição da morte, contudo, é eventualmente suavizado por momentos rápidos de humor. Um destaque é a sequência de treinamento de Cage, numa gaiola com garras mecânicas em que Vrataski é impiedosa cada vez que ele sofre algum ferimento grave. A frustração resignada de Cruise cada vez que ele precisa “morrer à força” é impagável.

Tom Cruise é facilmente reconhecido por seus papéis como herói de ação, sempre ousado, destemido e calculista. Ele é sempre aquele herói em que aprendemos a confiar logo no começo de seus filmes. Mas não é o caso aqui. Pelo menos não inicialmente. Em suas primeiras cenas, William Cage surge como um militar que trabalha como assessoria de imprensa para a Força de Defesa e atua como uma celebridade televisiva, cujo principal objetivo é arrecadar mais soldados para o exército terrestre. Ele nunca esteve no campo de batalha, e morre de medo disso. Por se recusar a cumprir as ordens de seu superior, ele acaba sendo rebaixado e enviado para a batalha contra sua vontade. Por ser inexperiente, ele torna-se uma vítima fácil. É quando ele morre, e reinicia o dia. É quando ele precisa aprender a ser um soldado para sobreviver. Esse começo como homem covarde e indiferente é fascinante.

Assistir a um Tom Cruise que sorri como um covarde é até um pouco estranho. Não é o que estamos acostumados a ver — não é aquele sorrisinho cínico que sempre vemos em Missão Impossível. — Mas ele se vende muito bem dessa forma, e acrescenta bastante ao filme com seu medo de ir para o campo de batalha. Cruise merece muito crédito pelo crescimento e empatia de seu protagonista. Ainda que pouco a pouco ele se torne um herói de ação — ousado, destemido e calculista —, seu personagem não perde o aspecto relutante. Os motivos que o levam a ser relutante é que mudam. Ele consegue manter os méritos e as falhas de caráter de seu personagem em equilíbrio com as oscilações da trama — provocadas pelos retornos no tempo constantes. — A transformação de um homem petulante e mesquinho em um soldado valoroso é gradativa e convincente. Ele não é um herói, mas se torna um devido às circunstâncias. Sua única escolha é lutar e morrer.

Alguns elementos da cultura japonesa, inerentes à light novel, são mantidos no personagem, sutilmente misturados ao desenvolvimento de um herói de ação norte-americano. Esse equilíbrio favorece também a providencial interação entre Cage e sua parceira Rita Vrataski. Os dois têm uma química incrível.

Sobre Emily Blunt, ela é inteligente e badass e ESPETACULOSA. Quando você vir Vrataski pela primeira vez em cena, você vai sentir o que eu senti. Inspiração. O poder de liderança Vrataski é passado por Blunt apenas com o olhar e algumas expressões corporais. Em combate, ela luta furiosamente, com uma espada imensa que ela maneja como se fosse um canivete. Por sua atitude agressiva é conhecida como Full Metal Bitch (Megera de Ferro). Mas por sua habilidade, é altamente condecorada e respeitada na Força de Defesa. Blunt consegue demonstrar a graciosidade emocional de uma mulher sem parecer fraca ou donzela em apuros, ao mesmo tempo em que é fervorosa como uma guerreira. A mulher é um fenômeno da natureza.

No Limite do Amanhã é espetacular. Em diversos aspectos. Como adaptação de All You Need Is Kill, é impressionante e admirável. Como história de guerra, emula filmes antigos como Platoon e O Resgate do Soldado Ryan, criando uma atmosfera brutal de violência e insegurança nas trincheiras inimigas. Como filme de ficção científica e mecha — os militares usam exoesqueletos robóticos para enfrentar os aliens —, possui efeitos visuais bem executados e bem amarrados à proposta, repleto de cenas de ação emocionantes. As bestas alienígenas, com seus tentáculos transmutáveis e suas cartilagens fluorescentes, são grotescas e medonhas como se saídas de um pesadelo lovecraftiano. Graças ao protagonista covarde, que cresce pouco a pouco em seu heroísmo relutante, somos inseridos nesse medo do desconhecido. Passamos da antipatia à simpatia. Somos estimulados pela adrenalina constante da sobrevivência, da morte, da evolução e do reboot. Viver. Morrer. Repetir. Quando chegamos ao limite, estamos presos em um loop, torcendo de novo e de novo para que esse herói improvável encontre seu amanhã.

No Limite do Amanhã

No Limite do Amanhã

No Limite do Amanhã

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Nível Épico em Imagens

Facebook

Google Plus