Filmes

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido (X-Men: Days of Future Past, EUA, 2014) é a continuação de X-Men: Primeira Classe, inspirado numa das sagas mais épicas do grupo mutante, Dias de Um Futuro Esquecido, e dirigido por Bryan Singer. O novo filme dos X-Men mostra a luta dos mutantes numa guerra pela sobrevivência em dois períodos de tempo. Os personagens da trilogia X-Men original precisam unir forças com suas versões mais jovens de X-Men: Primeira Classe, e juntos, eles devem mudar o passado para salvar o futuro. Enquanto a parte do passado acontece em 1973, dez anos depois dos eventos de X-Men: Primeira Classe, a parte do futuro toma lugar anos depois de X-Men: O Confronto Final e Wolverine: Imortal.

Certamente é o filme dos mutantes que todos nós estivemos esperando desde o começo da franquia nos cinemas, lá pelos idos do ano 2000. Por muitas razões. Muitos tinham dúvidas de que os robôs gigantes caçadores de mutantes chamados Sentinelas um dia teriam versões cinematográficas. Ou que tramas complexas de viagens no tempo e linhas cronológicas alternativas pudessem ser adaptadas com eficiência para o cinema. Não há mais dúvidas. O que vemos nesse filme é fantástico. Muito mais dedicado não apenas ao universo mutante, mas também aos fãs do universo mutante — os fãs dos quadrinhos e os fãs do cinema. — Mesmo depois de X-Men: Primeira Classe, esse não é o filme que eu imaginei que veria. É muito melhor. É uma história sobre os 14 anos de história dos X-Men nos cinemas. E é o melhor filme dos X-Men até agora. As Sentinelas são épicas. As do presente são robustas e quadradonas. As do futuro são fodonas como o Nimrod, versões evoluídas dos robôs que conseguem moldar sua forma e usar os poderes dos mutantes que cruzam seu caminho. São perfeitas máquinas de matar mutantes.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Parece empolgação demais? Quando você vir, você entenderá por quê. Mas vou dizer uma coisa. X-Men começou efetivamente isso tudo. Filmes de super-heróis existiam, mas recebiam pouco respeito e o resultado era na maioria das vezes absurdamente questionável. Blade talvez tenha sido a maior exceção, mas sequer era tratado como filme de super-herói, e pouquíssimas pessoas até mesmo sabiam que ele era um herói dos quadrinhos. O primeiro X-Men (2000) abriu a corrida dos super-heróis no cinema. Pouco a pouco eles foram ganhando terreno até chegarmos ao grande boom que existe hoje. X-Men 2 (2003) fundamentou o universo mutante, com uma das melhores utilizações de teleporte que eu me lembro — Bamf! — Até que X-Men: O Confronto Final (2006) e X-Men Origens: Wolverine (2009) arranharam amargamente a credibilidade dos mutantes. X-Men: Primeira Classe, impulsionado justamente por esse boom dos super-heróis que os X-Men ajudaram a criar, deu novo fôlego à franquia, trouxe os mutantes de volta aos eixos. E agora o bom filho, Bryan Singer, a casa retorna para prosseguir com esse legado, reafirmando e habilmente expandindo o universo mutante no cinema. Como? Viagens no tempo e linhas cronológicas alternativas. Estamos enfim vendo à ascensão do X-Men — e de seus inimigos mais poderosos.

Na história, as atividades de Magneto (Michael Fassbender) tiveram uma consequência trágica: os mutantes começaram a ser caçados, presos e exterminados pelas terríveis Sentinelas criadas pelo cientista Bolivar Trask (Peter Dinklage) dono das Indústrias Trask. Para tentar consertar as coisas, a versão do futuro de Wolverine (Hugh Jackman) volta ao passado para guiar a versão mais jovem de Charles Xavier (James McAvoy) por um caminho correto e que possa impedir as catástrofes que está por vir no mundo. Seu objetivo é impedir que Mística (Jennifer Lawrence) assassine Trask, evento que motivou a produção em massa das Sentinelas, consequentemente iniciando o futuro apocalíptico.

No futuro apocalíptico, o elenco da trilogia original está de volta: Ian McKellen, Patrick Stewart, Halle Berry, Ellen Page, Shawn Ashmore e Daniel Cudmore como Magneto, Professor Xavier, Tempestade, Kitty Pryde, Homem de Gelo e Colossus; e são auxiliados por novos mutantes: (no futuro apocalíptico) Bingbing Fan, Adan Canto, Booboo Stewart, Omar Sy e (no passado) Evan Peters como Blink, Mancha Solar, Apache, Bishop e Mercúrio.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é dinâmico e bem encadeado pela edição. O passado e o futuro oscilam com fluidez, interferindo um no outro mutuamente, mas sem atrapalhar o andamento ou o entendimento dos fatos. É interessante ver como os acontecimentos do passado influenciam o que está acontecendo no futuro. O filme mantém o ritmo o tempo todo, e ainda consegue manter a atmosfera sombria. Mesmo no passado, com o clima mais saudosista e vistoso dos anos 70, o misto de melancolia e urgência é forte. Isso sem mencionar as sequências de ação, ora bem-humoradas, ora trágicas, mas todas com sua razão de ser dentro da história. Tendo o Wolverine como guia, somos conduzidos por uma trama que nos leva desde uma fuga alucinada de uma prisão no Pentágono até uma explicação improvável — e sensacional — para o assassinato do Presidente Kennedy.

Aproveito para comentar de leve sobre a fuga da prisão e a participação providencial do Mercúrio, que aqui é chamado de Peter Maximoff — não Pietro. — Confesso que não estava animado com a presença de Mercúrio no filme, ainda mais depois de toda aquela disputa em relação a usar ou não o personagem — já que ele estará em Os Vingadores 2: A Era de Ultron, dessa vez como Pietro Maximoff. — Mas a participação do Mercúrio em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é rápida e engraçada o bastante para valer a pena. O cabelo dele é tosco, mas o personagem é espetacular.

De volta ao trio principal, James McAvoy, Michael Fassbender e Hugh Jackman são as estrelas maiores aqui. Charles Xavier e Erik Lehnsherr são apresentados como indivíduos extremamente complexos, que continuam a remoer as tragédias de seu passado, usando isso como combustível para as emoções que estimulam (ou não) seus poderes. Enquanto Xavier tem seu dom reprimido por seus medos e suas frustrações, o poder de Erik só aumenta com sua raiva. Xavier é ainda mais torturado por querer ajudar seus companheiros mutantes, mas ser incapaz de realmente abandonar seus receios para fazer isso. Erik se eleva definitivamente em seu antagonismo relutante para com Xavier, a quem considera um amigo, apesar das desavenças entre os dois. Eles mantêm a emoção da trama, explorando a verdadeira mágoa que existe por trás da missão altruísta que os X-Men assumem para si. Wolverine, como o personagem mais marcante do universo cinemático, funciona como elo para esses dois, ao mesmo tempo em que possui uma dinâmica própria quando está sozinho. O mutante aqui é mais forte, divertido e carrancudo como não era há muito tempo — eu diria desde X-Men 2. — Jackman mostra por que ele se tornou importante para a franquia X-Men e por que seu Wolverine se tornou tão adorado pelos fãs.

Os demais personagens são presenças importantes, mas pontuais dentro dos propósitos da trama. Mística surge como uma ameaça significativa, mas sua jornada logo sofre uma reviravolta, que amplia sua importância para o universo mutante e também para a dinâmica da relação entre Xavier e Magneto. Interessante a forma como ela foi usada para conduzir o enredo, já que na HQ ela é o motivador principal do futuro apocalíptico. Graças ao carisma e ao talento de Jennifer Lawrence, Mística ganha contornos especiais e grandes possibilidades para os futuros filmes do X-Men. Noutro ponto, Bolivar Trask mostra-se um vilão complexo e crível. Ele é a representação do medo cego dos humanos contra os mutantes e tudo aquilo que consideram como diferente, tema recorrente no universo do X-Men. Mesmo depois de tanto tempo, a questão de intolerância continua fortemente presente e bem explorada.

*Pausa para meu momento fanboy* O filme tem a Blink. A BLINK. Minha mutante favorita desde que surgiu nos anos 90. Interpretada e muito bem caracterizada por uma chinesinha espetacular e roxa. Sua linda. Ela aparece pouco, mas o bastante. Seu poder de abrir portais é uma das coisas mais legais do filme. Efeitos incríveis e movimentos perfeitos. Ela é muito foda. Agora eu quero ver um filme do Exilados. *Fim do meu momento fanboy*

As soluções encontradas para contar sua história são excelentes e bem amarradas. O roteiro consegue aproveitar componentes do arco dos quadrinhos e ainda vinculá-los aos demais filmes da franquia de modo inteligente. X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, entretanto, aproveita apenas a premissa da HQ. Não é uma adaptação direta do reverenciado arco narrativo escrito por Chris Claremont com arte de John Byrne e Terry Austin, até porque a história original é razoavelmente curta — foi contada em apenas duas edições da revista Uncanny X-Men. — Detalhes foram alterados em função do universo cinematográfico e o filme pega emprestado elementos do quadrinho, trabalhando-os e desenvolvendo-os a sua maneira dentro do legado construído pelos quatro filmes anteriores de X-Men e pelos filmes solo do Wolverine.

Nesse ponto é que o filme se sobressai; por movimentar suas peças eficientemente para encaixar as partes mais equivocadas do grande quebra-cabeça que se tornou o universo cinemático do X-Men, e por justificar decisões tomadas em filmes anteriores, restaurando a ordem de algumas coisas perdidas pelo caminho ao longo desses 14 anos de franquia. Com isso, além de reestruturar toda a história desarranjada dos filmes anteriores, X-Men: Dias de um Futuro Esquecido abre caminho para novas e inúmeras possibilidades, que certamente levarão a novos filmes, seja do próprio X-Men — o próximo será X-Men: Apocalypse em 2016 —, seja de outros personagens ligados aos mutantes, como o X-Force, cujo filme está em processo de desenvolvimento. Professor Xavier e Magneto moveram as peças de seu jogo de xadrez com precisão inquestionável e o resultado é um tremendo xeque-mate.

OBS: Existe uma cena no final dos créditos, que expande um pouco mais o universo mutante no cinema e abre caminho para o filme X-Men: Apocalypse. Mas devo dizer que, apesar de extremamente fantástica, é uma cena que talvez demande um conhecimento mais aprofundado sobre a história dos X-Men nos quadrinhos.

SPOILERS: ATENÇÃO! A partir desse ponto, o texto contém TODOS OS SPOILERS DO MUNDO sobre o enredo do filme. Se você não quiser saber detalhes cruciais sobre X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, pare agora e volte somente depois de ver o filme. Agora se você não se importa de ler spoilers ou sua curiosidade é maior do que seu bom-senso, continue por sua conta e risco.

Algumas coisas parecem ter sido deliberadamente ignoradas no filme, até porque se tudo fosse explicado ou mais desenvolvido, creio que o filme ficaria com mais de três horas de duração. Então, o Bishop tem pouca utilidade na história. A Kitty Pryde tem o poder de enviar a consciência dos outros para o passado — poder que na HQ é fruto dos poderes telepáticos de Rachel Summers, que não existe no cinema e é uma personagem muito importante no universo mutante para aparecer como uma simples coadjuvante de luxo. — Em nenhum momento no filme, nos é contado como Kitty conseguiu esse poder. O que podemos assumir é que se trata de um poder novo que ela adquiriu nessa realidade apocalíptica. Também acredito que foi uma forma que Bryan Singer encontrou para dar uma importância maior à personagem, já que na HQ é a Kitty Pryde quem volta no tempo. Como no cinema o Wolverine tem mais apelo, ele foi o escolhido para voltar no tempo, não Kitty. Sendo assim, faz sentido dentro das opções para o filme. Mas espero que a Kitty Pryde volte a ter destaque em futuros filmes do X-Men.

Também não há explicação para o Professor Xavier ter seu corpo de volta depois de ser vaporizado pela Jean Grey — em X-Men: O Confronto Final — e enviar sua mente para o corpo de um homem em coma. Essa não é uma preocupação do filme, isso é bem perceptível. Como a história se passa num futuro que deve ser razoavelmente distante dos filmes anteriores, ele simplesmente está de volta ao corpo. De alguma forma aconteceu. Como? Quem sabe.

Na versão do passado, Xavier está andando novamente, apesar do disparo que atingiu sua coluna em X-Men: Primeira Classe. A explicação para isso é simples. Ele perdeu seus poderes por causa do tratamento que Hank McCoy, o Fera, aplica em Xavier para que ele volte a andar. McCoy usa o soro que controla sua transformação em Fera, reprimindo seus poderes mutantes. O soro reprime os poderes de Xavier e, por isso, ele consegue andar novamente. Quando ele para de tomar o soro, seus poderes retornam e ele volta para a cadeira de rodas.

Não há como negar que X-Men: Dias de um Futuro Esquecido é o mais ambicioso filme do X-Men até hoje, recheado de ideias e quase explodindo com personagens, tramas e reviravoltas. O caminho que a história percorre para criar a conexão entre suas duas linhas temporais tem um objetivo claro. Unir a franquia do X-Men original com o universo criado com X-Men: Primeira Classe, e consertar os erros cometidos com os filmes anteriores, especialmente X-Men: O Confronto Final e X-Men Origens: Wolverine.

A saga com viagens no tempo e realidades alternativas concedeu abertura para o diretor Bryan Singer organizar definitivamente a continuidade da franquia dos mutantes no cinema sem desvincular X-Men: Primeira Classe dos filmes anteriores. No final de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido eles conseguem reinicializar toda a série com sutileza e elegância parecidas com o que J.J. Abrams fez com Star Trek. Os antigos filmes do X-Men ainda são válidos, em parte, pois agora foi estabelecida uma linha temporal alternativa para o presente, e novos filmes dos X-Men serão feitos tendo como base essa linha, e certamente usando atores novos e atores antigos a seu bel prazer. Isso pode parecer um pouco confuso, mas não é. A verdade é que X-Men: Dias de um Futuro Esquecido rebootou a franquia sem necessariamente rebootar a franquia. Mais ou menos isso.

O fato é que essas mudanças aconteceram, e agora o que deu errado no universo cinemático do X-Men foi corrigido. Com isso, o final nos reserva algumas surpresas. Ciclope (James Marsden) e Jean Grey (Famke Janssen) estão de volta. Eles não morreram. Os eventos de X-Men: O Confronto Final não aconteceram na nova linha alternativa que se formou após X-Men: Dias de um Futuro Esquecido. Alguns outros personagens também aparecem de leve, como a Vampira (Anna Paquin) e o Fera da franquia original (Kelsey Grammer). A própria amnésia do Wolverine foi mais ou menos explicada, e seria fruto do processo de viagem no tempo sofrido por sua mente. No final, ele acorda com lembranças do que aconteceu, e vai ao encontro do Professor Xavier (Patrick Stewart), que fica feliz por ele finalmente ter se lembrado do passado que ambos viveram juntos. Isso também explica o empenho de Xavier em recrutar Wolverine para ser um X-Men no primeiro filme da franquia, ajudando-o com seu passado. O fato é que essa linha alternativa que se criou pode servir como base para futuros filmes do X-Men a partir de agora.

CENA PÓS-CRÉDITOS: Só tenho a dizer o seguinte. EN SABAH NUR! EN SABAH NUR! EN SABAH NUR! Esse é o nome verdadeiro do Apocalypse, um dos mutantes mais antigos que existem, nascido no Antigo Egito e que sobrevive até os dias atuais graças aos seus poderes e ao uso de tecnologias avançadas. Ele é um dos maiores vilões dos X-Men, conhecido por recrutar mutantes e convertê-los em seus cavaleiros. Os Quatro Cavaleiros do Apocalypse. Que aparecem de relance nessa cena pós-créditos. O Apocalypse apareceu. O nome do próximo filme dos mutantes é X-Men: Apocalypse. Faça as contas e seja feliz.

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



  • Ruan

    Sensacional, mas eu queria saber o porquê do Pietro aparecer se ele é filho do magneto?

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      No filme ele se chama Peter, e apesar de fazer uma piadinha de referência que é filho do Magneto, isso não é mencionado abertamente no filme. Eles colocaram o personagem para uma função específica (a fuga da cadeia), por sua velocidade e tal. Mas mudaram o nome para Peter para não criar problemas com o Pietro Maximoff que vai aparecer em Os Vingadores 2.

  • Nanda

    Gostaria de saber uma coisa. Aliás, me certificar. Quando (finalmenteee) tudo dá certo e os Sentinelas se vão, aquele cenário de destruição acaba e a cena da escola retorna. Eles estão em 2023, não é? Retorna no mesmo ano em que começou.

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Sim…eles estão em 2023. Isso mesmo. ;)

  • eriberto

    Será que wolverine voltou antes dos acontecimentos de x-mem o confronto final?Foi o que fiquei pensando, mas também tem o fato do Xavier ler a mente dele e ver todo o sofrimento que ele passou. Algo que fiquei sem resposta é o porque Mistica é quem o resgata do fundo do mar se fazendo passar pelo Major (jovem) que introduziu o adamantium nele, era ela né?Ocorre uma mudança nos olhos dela. Outro ponto, não acho que Wolverine origens tenha sido mal feito, acho que é um filme muito explicativo até, pois explica(pelo menos pra mim) o quanto ele sofreu tendo participado de tantas guerras(desde a de secessão até do Vietnã), e isso é o que me deixa com mais uma duvida, o filme do Wolverine Origem, começa mostrando as guerras que ele participou certo?Muito bem a última guerra que mostra ele é a que ele é fuzilado junto com Dente de Sabre e se não me engano é a guerra do Vietnã(1955 a 1975 wikipedia fonte), e se ele estava na guerra com Dente de Sabre como é que ele aparece no Dias de um futuro esquecido nos EUA e separado de Victor(Dente de Sabre)?E outra, Mistica tenta Matar o baixinho lá num acordo de paz, que acordo seria esse?O da guerra do Vietnã?(guerra essa que ela mesmo tira vários mutantes que estavam pra entrar no programa de Trash sei lá como se escreve rsrsrsrs), pois bem, que paz se a guerra acabou em 1975 e no filme estamos no ano de 1973?Sei que sou chato, mais são questões a serem pensadas. Sim e o major Wiliam que recruta Wolverine no Wolverine origem seria o mesmo major mostrado no filme dias de um futuro esquecido?Mas ele recruta wolverine no vietnã também não?Como pode haver tanta diferença de idade?

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      O grande problema de Wolverine Origens é que, apesar de mostrar alguns aspectos relevantes da história do Logan, o filme descaracterizou muitos personagens do universo mutante, e isso ficou ruim. Tanto que a própria Fox e o próprio Hugh Jackman não aprovaram o resultado final do filme. Por exemplo: a Fox queria fazer um filme com o Deadpool…só que o filme destruiu completamente o personagem…isso tornou o projeto do filme do Deadpool mais difícil de prosseguir, e por isso o filme por enquanto está engavetado (e deve ficar um bom tempo).

      Com relação à Mística/Strykwr…essa é uma dúvida cruel essa…confesso que essa é minha maior dúvida sobre o filme até agora. Essa coisa da Mística disfarçada de Stryker ficou bem confusa…e ainda não consegui pensar em como isso pode ter importância na história.

      Ainda teremos um novo filme-solo do Wolverine e o X-Men: Apocalypse…acredito que em um desses dois filmes talvez expliquem o porquê disso. Creio que deva ter alguma importância para os próximos filmes, dentro das ideias de reboot e realidade alternativa mostradas aqui em Dias de um Futuro Esquecido.

      Acredito que ele tem adamantium sim, e deve ter ligação com a cena da Mística/Stryker. Temos que esperar para ver como isso será realmente feito, e se será abordado em algum dos próximos filmes. Vamos ver.

      Sobre o acordo de 1973…Na verdade, o envolvimento militar direto dos EUA terminou em 1973 como resultado desse acordo aprovado pelo Congresso dos EUA. A Queda de Saigon, quando o Exército do Vietnã tomou a cidade, aconteceu em 1975 e foi isso que marcou o fim definitivo da guerra.

      E bem… o passado de Dias de um Futuro Esquecido acontece em 1973…e o começo de Origens: Wolverine, com Dente-de-Sabre e Logan entrando na Equipe X (recrutados por Stryker), também acontece em 1973….então, até seria possível tentar estabelecer alguma ordem cronológica entre os dois filmes…..mas a verdade mesmo, é que algumas coisas de X-Men Origens: Wolverine foram simplesmente desconsideradas (ignoradas) em Dias de um Futuro Esquecida, porque Origens é o filme mais problemático na franquia, e mesmo os realizadores não ficaram satisfeitos com ele (como eu disse antes). Os realizadores queriam fazer um reboot em TODA a franquia dos X-Men no cinema, e focaram nisso…eles não se preocuparam realmente em explicar muitas coisas. Por isso tanta coisa fica no ar. :)

  • Gustavo

    Muito legal sua análise. Uma pergunta: se a Mística estava se passando por Stryke quando o Logan foi resgatado, será que nessa nova realidade ele não tem adamantium?

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Olha.

      Dúvida cruel essa…confesso que essa é minha maior dúvida sobre o filme até agora. Essa coisa da Mística disfarçada de Stryker ficou bem confusa…e ainda não consegui pensar em como isso pode ter importância na história.

      Ainda teremos um novo filme-solo do Wolverine e o X-Men: Apocalypse…acredito que em um desses dois filmes talvez expliquem o porquê disso. Creio que deva ter alguma importância para os próximos filmes, dentro das ideias de reboot e realidade alternativa mostradas aqui em Dias de um Futuro Esquecido.

      Acredito que ele tem adamantium sim, e deve ter ligação com a cena da Mística/Stryker. Temos que esperar para ver como isso será realmente feito, e se será abordado em algum dos próximos filmes. Vamos ver. :)

  • Camila

    Fiquei com uma dúvida: Por quê a Mística disfarçada de Stryker pede para “cuidar” do Wolverine numa das cenas finais?

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Pois é.

      Dúvida cruel essa…confesso que essa é minha maior dúvida sobre o filme até agora. Essa coisa da Mística disfarçada de Stryker ficou bem confusa…e ainda não consegui pensar em como isso pode ter importância na história.

      Ainda teremos um novo filme-solo do Wolverine e o X-Men: Apocalypse…acredito que em um desses dois filmes talvez expliquem o porquê disso. Creio que deva ter alguma importância para os próximos filmes, dentro das ideias de reboot e realidade alternativa mostradas aqui em Dias de um Futuro Esquecido.

      Vamos ver. :)

  • Wiliam

    Cara nao tem como nao ler ate acabar as materias… eh sacangem avisar pra parar de ler.. pq velho NAO DA.. Nivel Epico eh um portal!

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Hahahah…obrigado! :D

      Mas você ainda pode se segurar um pouco, ver o filme, e depois voltar para ler o restante. :)

  • viviane

    muito legal ess post!!mais unica duvida se homem de gelo ta gostando sa kitty???ou se eles vam terminar juntos??

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Capitão Fantástico

Capitão Fantástico

O Homem nas Trevas

O Homem nas Trevas

Nível Épico em Imagens

Google Plus

Facebook

SoundCloud