Filmes

Riddick

Riddick

Riddick

Riddick

Riddick

Quando Eclipse Mortal estreou em 2000 como um filme B de ficção científica obscuro, não dava para imaginar que Richard B. Riddick se tornaria protagonista de uma franquia persistente e duradoura. Mas o personagem assumiu características interessantes de improvável herói e Vin Diesel ganhou status o bastante como ator para sustentar suas franquias.

A Batalha de Riddick surgiu com a intenção de expandir o universo do anti-herói, e apesar de ser um filme legal, não foi tão bem-sucedido. Ninguém esperava que fosse continuar. Mas, como eu disse, a franquia é persistente, e se esperava que a terceira tentativa, escrita e dirigida David Twohy, atingisse grandes patamares. Riddick (EUA, 2013) não é grandioso, mas funciona como um filme de ação e ficção científica sobre assassinos e monstros.

Riddick não é um homem que pode ser facilmente morto. Ele já foi deixado para morrer várias e várias vezes, mas sempre sobrevive, e volta. Como seu personagem-título, a série Riddick esteve inativa durante um tempo, mas agora retorna tentando resgatar a essência e seguir adiante com a franquia.

Na trama, o infame Riddick (Vin Diesel) é deixado para morrer em um planeta sem vida, devastado pelo sol. Lá, ele precisa lutar pela sobrevivência contra predadores alienígenas. O único jeito de fugir é usar os grupos de mercenários e caçadores de recompensas que estão à caça de Riddick. Mas o anti-herói tem ainda outra missão, encontrar seu planeta natal, Furya.

O enredo simples é um terreno sólido e fértil para o desenvolvimento do horror e da ação, e o filme demonstra-se eficiente nesses dois quesitos, com cenas emocionantes envolvendo criaturas bizarras e interessantes, que são transformadas num problema digno das habilidades de sobrevivência de Riddick vistas em Eclipse Mortal. Mas a história continua com a premissa de expandir o universo ao redor do protagonista, ainda que está seja uma tentativa de voltar às origens — volta-se ao começo para dar um novo passo.

A estrutura simples divide o filme em duas partes: a primeira explicando como Riddick sobrevive num planeta inóspito onde é deixado para morrer, e a segunda apresentando os mercenários; ambas possuem seus próprios problemas específicos e seus momentos de glória. Sem muita história para contar, a parte inicial é importante para transmitir o clima que o filme quer passar, de sobrevivência e recuperação do instinto bestial do protagonista, porém, se estende além do necessário e, em dado momento, torna-se lenta e repetitiva demais.

A segunda metade é mais forte, porém, tira o foco de Riddick durante muito tempo, algo que se torna um problema porque os mercenários coadjuvantes não são personagens interessantes — são apenas estereótipos basicamente criados para morrer, seja pelas mãos do próprio Riddick, seja pelas garras de algum monstro. O maior desperdício é a personagem de Katee Sackhoff, a mercenária Dahl, que apesar da atriz talentosa e renomada, acaba como a típica mulher machona e fodona (e teoricamente lésbica) que serve para dar umas porradas, ou aparecer nua, ou ser alvo de piadinhas sobre mamilos.

O melhor da franquia continua sendo o próprio Riddick, e seu intérprete. Diesel ainda é um grande atrativo para filmes atualmente e a série Riddick construiu uma base de fãs ao longo dos anos — e eu me incluo nisso. Riddick é um mercenário assassino descendente de um planeta extinto de grandes guerreiros, e não precisa de muito mais do que isso. O personagem é bem explorado através dos desafios que enfrenta para sobreviver ao mundo e da necessidade de resgatar seu lado bestial. Diesel vem melhorando seu carisma ao longo dos anos e isso fica claro com Riddick. Ele injeta sutilezas no caráter do personagem, que tornam Riddick mais interessante e honesto — e isso faz dele um homem mais aterrorizante e bem-humorado em seu sadismo.

Entre uma ou outra tentativa breve de aprofundamento do personagem, vemos o verdadeiro Riddick em ação — o assassino que é pior do que os monstros que tentam matá-lo. Uma curiosidade é que nesse terceiro filme, aparentemente, Riddick ganha alguns contornos de Conan, o Bárbaro, ao aparecer como um rei destituído de seu reino, que sobrevive às piores situações, mata seus inimigos sem piedade, e ainda leva uma mulher para a cama no final.

Como esse recomeço, abrem-se novas possibilidades, e se essa franquia conseguir persistir mais, podemos ver a batalha de Riddick continuar em mais dois filmes, segundo o próprio Vin Diesel. O ator já revelou numa entrevista que o estúdio pensa em mais duas sequências, que seriam intituladas Underverse e Furya – o final desse terceiro filme deixa margem para a história seguir por esses caminhos.

Durante entrevista ao SFX, Diesel falou sobre as intenções para os próximos dois filmes da franquia Riddick — “Vamos para o Underverse. Espera-se, é algo que eu acredito firmemente. Você vai ter que passar pelo Underverse para chegar a Furya. Então, essas são as duas outras histórias que estão mapeadas para depois. O Underverse é um empreendimento muito mais caro. Fomos nessa direção, tentando fazer um filme Rated R, que é legal e ainda mais interessante porque é inesperado. Mas, sim, você vai estar no Underverse e você estará em Furya, mais cedo ou mais tarde.”

Parece que os realizadores estão com os acontecimentos futuros bem determinados, mas quando exatamente Riddick vai avançar para o Underverse e, eventualmente, voltar ao seu planeta natal Furya, isso é outra questão. Quatro anos se passaram entre o lançamento de Eclipse Mortal e sua continuação A Batalha de Riddick, e mais nove anos se passaram até Riddick estrear. Quão rapidamente o quarto capítulo da série vai chegar (e se vai mesmo chegar) dependerá muito de como Riddick vai sobreviver às intempéries do mercado cinematográfico.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Capitão Fantástico

Capitão Fantástico

O Homem nas Trevas

O Homem nas Trevas

Nível Épico em Imagens

Google Plus

Facebook

SoundCloud