Livros

O perigo da história única, segundo Chimamanda Ngozi Adichie

Chimamanda Ngozi Adichie é uma escritora nigeriana que definitivamente você deveria ouvir. Segunda ela própria, escreve desde os 7 anos de idade e sempre foi ávida pela leitura. Mas como cresceu lendo livros norte-americanos e britânicos, acabou desenvolvendo uma consciência sobre personagens da literatura que estava longe de sua realidade. Ela atribui essa consciência ao que chama de O Perigo da Única História, que você pode entender melhor assistindo ao vídeo acima.

Quando completou dezenove anos, deixou a Nigéria e se mudou para os Estados Unidos, onde estudou na Universidade Drexel da Filadélfia, se transferiu mais tarde para a Universidade de Connecticut, fez estudos de escrita criativa na Universidade Johns Hopkins de Baltimore, e mestrado de estudos africanos na Universidade Yale.

Seu primeiro romance, Purple Hibiscus (Hibisco Roxo), foi publicado em 2003. O segundo romance, Half of a Yellow Sun (Meio Sol Amarelo), tem esse nome em homenagem à bandeira da Biafra, um estado situado a sudeste da Nigéria e uma das causas da Guerra Civil Nigeriana. A história se passa no período da Guerra Civil, entre 1967 e 1970, e ganhou o Orange Prize para ficção em 2007, prêmio concedido para histórias de ficção escritas por mulheres no idioma inglês em todo o mundo.

O que Chimamanda Adichie tem a compartilhar é importante e necessário. Mais do que isso, enquanto a ouvimos falar sobre a realidade da Nigéria, percebemos muitas similaridades com questões facilmente encontradas aqui no Brasil, como aqueles que se deliciam com a leitura a despeito das insistentes afirmativas de que brasileiro não lê; que largam trabalhos burocráticos para abrir uma editora; que abrem negócios e fracassam, mas não desistem; que confrontam todos os dias problemas com uma infraestrutura fracassada e um governo falho, e ainda assim prosperam a despeito das probabilidades.

A autora conta como escrevia histórias que eram semelhantes às histórias estrangeiras que ela lia, sempre com crianças de pele branca e olhos azuis. Até que ela descobriu histórias africanas, e percebeu que pessoas como ela poderiam estar nas histórias.

Quando ouvimos ou lemos histórias sobre uma determinada parte do mundo, normalmente percebemos essa parte do mundo sob o ponto de vista das histórias que absorvemos. Nem sempre nos preocupamos em saber se a realidade retratada naquela história é condizente com a realidade real (com perdão da redundância). A verdade é que, em geral, aceitamos facilmente o que nos é contado, e raramente nos preocupamos em pesquisar detalhes ou apurar a veracidade dos fatos.

Adichie fala sobre sua própria experiência com a única história. Primeiro, contando sobre a família de Fide, um garoto de origem humilde que trabalhava em sua casa. Depois, atentando para sua percepção quando ouviu sobre a imigração mexicana na época em que vivia nos Estados Unidos, e como acabou influenciada pela percepção dos norte-americanos sobre a imigração mexicana.

“Mostre um povo como uma coisa, como somente uma coisa, repetidamente, e será o que eles se tornarão” – é assim que se cria uma única história, de acordo com a escritora. A única história rouba das pessoas a dignidade. E nessa questão, ainda há o elemento do poder, o fator “ser maior do que o outro”, ou como fala Adichie: nkali, uma palavra da tribo Igbo. Quem detém o poder, frequentemente detém a versão da história que é contada e recontada. É como normalmente acontece durante uma guerra: quem vence, define a história que será conhecida pelas gerações futuras, e como será conhecida.

Ao envolver-se com todas as histórias de uma pessoa, lugar ou problema, a armadilha de uma única história pode ser evitada. A única história faz com que as diferenças entre as pessoas se destaquem, e a grande questão é que a única história é uma descrição incompleta – muitas vezes, imperfeita. – Naturalmente, compreender a história sobre um país ou uma pessoa não significa ter um conhecimento completo a respeito deles. Até porque não acho que seja realmente possível ter um entendimento completo sobre alguma coisa, a não ser que nos conformemos em acreditar numa única história. No que diz respeito a pessoas, especialmente, sempre há algo a ser descoberto, sempre há aquele fator inconstante que pode mudar pensamentos ou comportamentos no último segundo. É assim que surgem guerras, e tratados de paz, e manifestações por questões políticas e sociais, e mudanças de paradigmas. Não se pode tratar essas variáveis através de pensamentos simples e padronizados disseminados por histórias únicas.

Chimamanda Adichie

A fim de contar histórias sobre uma cultura, Adichie deixa claro que devemos nos certificar de ter uma visão objetiva sobre toda aquela cultura, não uma única história para perpetuar estereótipos. É por causa de visões nubladas por histórias únicas que durante muito tempo mulheres, negros, homossexuais, entre outros, sofreram com preconceitos e perseguições – e ainda hoje, sofrem. – Isso porque frequentemente nos permitimos fazer suposições mais amplas e generalizações a respeito de alguma coisa que não conhecemos plenamente. Supor é mais fácil e rápido do que pesquisar, se aprofundar e se abrir para novas percepções. Além disso, uma única história é um ciclo que perdura fervorosamente se não for quebrado.

Interpretar e reinterpretar constantemente tudo o que acontece ao nosso redor pode ser uma forma enriquecedora de entender as histórias que nos cercam. Cada pessoa, cada coisa, cada lugar possui sua história, e conhecê-los por vários pontos de vista sempre pode nos proporcionar novas ideias e materiais. Por exemplo, para aqueles que almejam escrever uma história algum dia, como Adichie, essa é uma perspectiva positiva.

A liberdade de criação e de pensamento é, e sempre será, uma ferramenta poderosa. Com liberdade, as pessoas podem descobrir mais sobre outras histórias, desde que elas queiram buscar e conhecer essas outras histórias, desde que elas aceitem sair da zona de conforto de uma realidade egocentrista – ou de uma arrogância piedosa. – Com liberdade, até mesmo situações trágicas podem ser usadas a nosso favor, e encaradas com bom humor, pois o humor surge mais facilmente quando se é livre.

Claro que, além da liberdade, é preciso satisfazer necessidades básicas de qualquer ser humano para que ele possa demonstrar interesse de ir além de uma única história. É por essas necessidades básicas que todos nós lutamos, todos os dias, das mais variadas formas; para que possamos nos dedicar a encontrar histórias além daquela única história que está o tempo todo tentando aliciar nossos pensamentos e devorar nossas almas.

“Quando nós rejeitamos uma única história, quando percebemos que nunca há apenas uma história, sobre nenhum lugar, nós reconquistamos um tipo de paraíso.”

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Arquivos do Blog

Aperte o Play

Blogs Favoritos

Blog Favorito

Blog Favorito

Blog Favorito