Animes

Os Novos 52: Batwoman

Nível Exemplar

Os Novos 52: Batwoman

Os Novos 52: Batwoman

Os Novos 52: Batwoman

Os Novos 52: Batwoman

Curiosa, é uma forma de definir a trajetória editorial da personagem Batwoman dentro da DC. Criada por Greg Rucka e J. H. Williams III, sua primeira aparição ocorreu na megassérie 52, que contava o destino do Universo DC após Crise Infinita.

Logo em seguida, teve sua origem revelada dentro de um arco sensacional na revista Detective Comics. Finalmente, teve sua série própria anunciada, mas, por causa da demora, acabou estreando dentro do projeto Os Novos 52; porém, a verdade aqui é que não houve reboot algum. Portanto, as histórias antigas dela ainda estão todas valendo, embora, a partir de agora, inseridas dentro da nova cronologia oficial da editora com o título Os Novos 52: Batwoman (The New 52: Batwoman, EUA, 2011).

Kate Kane é a nova Batwoman. Ex-militar que saiu das Forças Armadas por se recusar a esconder sua homossexualidade e obedecer a doutrina do “Não pergunte, não conte” (isso antes da Era Obama), ela resolve usar seu treinamento para combater o crime em Gotham City. A princípio, seu pai era também seu mentor, mas após os eventos mostrados na série pré-Novos 52 o relacionamento deles ficou estremecido. Ela adota ainda como sidekick sua prima Bette Kane, a Pássaro Flamejante.

A trama principal envolve a investigação do sumiço de crianças no bairro latino de Gotham, aparentemente por uma entidade sobrenatural. Enquanto acompanhamos a investigação, conhecemos também os dramas e os problemas da vida pessoal de Kate. O problema aqui é que o mistério em si não causa grande comoção aos leitores, pois falta um inimigo interessante para a heroína. O resultado final é bom, mas fica desbalanceado para uma aventura de super-heróis. Cabe lembrar que J. H. Williams III assume os roteiros na nova série, ao lado de W. Halden Blackman, e embora ambos sejam competentes, não possuem a mesma habilidade e experiência do co-criador Greg Rucka, que além de tudo é especialista em tramas de suspense e espionagem.

O grande destaque do roteiro é a vida pessoal da protagonista. O conflito com o pai arrependido, a dúvida em seguir o treinamento da prima, e a vida amorosa, tudo isso acaba trazendo uma grande empatia para a personagem. O mesmo vale para os coadjuvantes, que embora não tenham a mesma exposição (por razões óbvias), são todos cativantes a sua maneira. Cabe ressaltar que a polêmica sobre a homossexualidade dela mostra-se infundada, pois é muito bem retratada, com bastante naturalidade e no tom certo. Arrisco dizer que é a melhor retratação do tema dentro dos quadrinhos mainstream norte-americanos, justamente porque é apenas um aspecto a ser abordado, não se mostrando o tema da série, nem o aspecto principal para definir a personalidade da Batwoman. Não é uma revista para o público gay e nem trabalha os fetiches eróticos típicos em torno do gênero.

Por fim, é preciso falar da arte de J. H. Williams III. Ele aqui está solto tanto no traço quanto na composição de páginas, resultando num trabalho final deslumbrante. O roteiro é todo pensado em sua parte visual, que foge bastante do lugar comum das HQs de super-heróis. Mesmo a grande quantidade de páginas duplas são todas funcionais, e não desculpas para poses com ar cool como nos anos 90. As cores de Dave Stewart se encaixam com perfeição ao traço de Williams. Infelizmente Williams tem um ritmo lento e não poderá desenhar todas as edições da série, mas ao menos esse primeiro arco é todo dele (o que inclusive causou o atraso no lançamento da revista); e o impacto visual desta história em quadrinhos é de tirar o fôlego!

Em resumo, esta é uma HQ cujo interesse vai muito além do mero fã de Batman, com a recomendação de leitura para o público em geral. Fica apenas a torcida para que os roteiristas acertem o tom na parte de ação e mistério, para tornar o resultado final mais balanceado, pois Kate Kane é, até aqui, a personagem mais interessante dos Novos 52.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Nível Épico em Imagens

Facebook

Google Plus