Acervo

Morte Súbita

Nível Exemplar

Morte Súbita

Uma questão muito em voga nos últimos tempos é a discussão entre Alta Literatura versus Literatura de Entretenimento. Para muitos, a mistura é impossível, assim como água e óleo. Para outros, escrever bem não significa ser chato, sendo a divisão fruto mais de um preconceito de ambas as partes. Há até certa rivalidade entre a chamada Academia e os escritores “populares”, como se o parâmetro de qualidade literária fosse, para o bem ou para o mal, o número de vendas do autor. Mas o que acontece se a escritora popular mais bem sucedida do século XXI resolvesse surpreender e escrever um livro nos moldes da Alta Literatura?

A resposta é Morte Súbita (The Casual Vacancy, Reino Unido, 2012), o primeiro romance da escritora J. K. Rowling após a série Harry Potter. O livro, publicado aqui no Brasil pela editora Nova Fronteira, gira em torno da eleição para o Conselho Distrital de Pagford após a morte de um de seus membros mais ativos, chamado Barry Fairbrother. Ele defende que a vila de Fields, habitada por pessoas de baixa renda, deve permanecer no distrito, enquanto para seu principal adversário político, Howard Mollison, a mesma deve ser vinculada ao município vizinho de Yarvil.

A eleição na verdade é apenas um mote para mover a trama. Sem um protagonista fixo, a autora busca fazer um estudo psicológico dos personagens, focando os capítulos ora em um, ora em outro (não é igual, mas lembra um pouco o que faz George R. R. Martin nas Crônicas de Gelo e Fogo). Somos apresentados então a pessoas de todas as idades e classes sociais, e a forma como interagem entre si, seus sentimentos e suas atitudes em relação aos outros, assim como naquilo em que acreditam. Num momento, vemos uma jovem sonhadora, e no seguinte, uma mulher de meia-idade frustrada; depois, um adolescente que apanha do pai, seguido de uma miríade de possibilidades de personagens.

As discussões políticas surgem, mas o foco é sempre no psicológico. A autora apresenta, nas entrelinhas, críticas à situação social do Reino Unido após a crise de 2008, defendendo que o corte de gastos sociais pelo governo gera uma série de consequências perniciosas para a população em geral, e que isso deve ser ao menos colocado na balança, tirando o foco apenas da questão orçamentária e tecnocrática. Contudo, isso é feito de forma bem sutil. A preocupação principal no livro é como esses eventos afetam as pessoas no seu dia a dia, e como elas lidam com seus próprios problemas e anseios perante o futuro.

Não há aqui grandes acontecimentos. A trama é extremamente lenta. As primeiras 50 páginas nos apresentam aos personagens e como estes reagem a morte de Barry Fairbrother. Depois a história começa a andar, mas bem devagar, até engrenar mais ou menos na metade, acelerar e terminar de forma meio abrupta. O grande problema do livro é justamente esse ritmo meio truncado, que talvez torne difícil para uma parcela dos leitores chegar ao final.

Quem espera algo emocionante como os livros infanto-juvenis de Rowling, vai se decepcionar. Já quem conseguir passar pela lentidão e se envolver, vai receber um bom estudo de personagens, todos muito realistas e críveis. Não há também mocinhos ou bandidos, todos são seres humanos com qualidades e defeitos. A autora não julga seus personagens, é honesta com eles e os faz evoluir. Chegando ao final, eles são pessoas diferentes, e isso acaba por se sobrepor a eventuais falhas de estrutura do livro.

Podemos então afirmar que a autora saiu-se bem em escrever um livro adulto, que se enquadra nos requisitos da Alta Literatura. Embora não seja brilhante, a obra é eficaz nesse sentido. Contudo, os fãs tradicionais da autora podem torcer o nariz, justamente por não ser mais do mesmo. Do outro lado, a academia é rancorosa e não sei se aceitaria tão fácil uma autora tão popular agora querendo se passar “por um deles”. Portanto, é corajosa a decisão de Rowling, que saiu de sua zona de conforto e botou a cara à tapa mais uma vez. Se isso significa uma virada na carreira da escritora, o tempo irá dizer. Talento para isso ela tem. Quem sabe ela consegue ser bem sucedida e consegue demonstrar que essa divisão é uma bobagem. Parafraseando Oscar Wilde, não existem livros populares ou sofisticados. Os livros são bem ou mal escritos.

P.S.: A BBC anunciou uma série televisiva baseada em Morte Súbita, com colaboração da própria autora na adaptação. Vamos aguardar as novidades!

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Dia do Hambúrguer

Arquivos do Blog

Blogs Favoritos

Blog Favorito

Blog Favorito

Blog Favorito