Blood: The Last Vampire | Nível Épico

Animes

Blood: The Last Vampire

Nível Exemplar

Blood: The Last Vampire (Japão, 2000) é um filme média-metragem em anime dirigido por Hiroyuki Kitakubo, e parece essencialmente um capítulo de uma história que deve ser maior e mais complexa. O filme abandona totalmente informações básicas sobre história e personagens, desenvolvendo-se numa trama extremamente rasa, impulsionada apenas pela ação e pela violência.

Contudo, isso não chega a ser um problema, pois dentro daquilo que se propõe, Blood: The Last Vampire é incisivo como a lâmina de uma katana.

A trama se passa na década de 60, na época da guerra do Vietnã. Porém, existe outra guerra sendo travada, uma guerra secreta contra demônios sugadores de sangue chamados quirópteros — definição do anime para vampiros. Saya é tida como a última remanescente original dessa espécie de demônios e trabalha para a organização Escudo Vermelho, que combate essa ameaça. Após a cena de abertura foda de matança num metrô, Saya recebe ordens para sua próxima missão: se infiltrar numa escola de inglês de uma base militar americana no Japão. Saya vai para a escola disfarçada de estudante e rapidamente descobre quirópteros ocultos como alunos, alimentando-se do sangue deles indiscriminadamente.

Poucos detalhes sobre a história são mostrados nesse filme, por isso, pouco se sabe sobre Saya. Porém, como centro das atenções, ela é a única que conhecemos de fato. Pelo anime, fica implícito que Saya é a última vampira original remanescente e que os quirópteros são aberrações bestiais e indignas, por isso, ela os caça. Saya possui força e sentidos sobrenaturais, mas não parece ter fraquezas, exceto pelo incômodo que sente quando precisa lidar com coisas relacionadas a Deus. Também é sugerido que ela talvez seja uma híbrida entre humano e vampiro — como o D de Vampire Hunter D ou o Blade. Sua idade é desconhecida, mas Saya aparece numa foto de 1892, com a palavra “vampiro” vinculada a ela, o que garante algum conhecimento extra sobre a personagem. Mas esse conhecimento, como tudo no filme, é bastante superficial.

A narrativa, apesar de rasa, é dinâmica, sóbria e divertida pra quem curte um filme de caçadores de vampiros sangrento. Algo interessante é a natureza totalmente digital da produção, que mistura arte desenhada à mão colorizada por computador, ao invés de seguir a tradição mais comum na época, que era usar celulóide. Os efeitos visuais e as composições de fundo quase fotorrealistas, com tonalidades de cinza, marrom e vermelho, funcionam perfeitamente para a atmosfera macabra da obra. Há de se mencionar também os diálogos mistos, ora falados em japonês, ora falados em inglês, refletindo a interação entre japoneses e americanos da história.

Apesar de ser cruel e consideravelmente sangrento, como deve ser, Blood: The Last Vampire é uma experiência impressionante. É o tipo de filme sem enredo que consegue despertar interesse — um tipo raro, diga-se de passagem. A trama simples, no entanto, deixa lacunas para o desenvolvimento de ramificações e interpretações da história, lacunas que foram aproveitadas depois na produção das séries Blood+ e Blood-C, sagas nas quais realmente aprendemos um pouco mais sobre esse mundo de vampiros e quirópteros.

Saya surge precisa, rápida e voraz, aparentemente sem motivações maiores do que a simples matança. Vampiros normalmente não precisam de motivação para matar. Eles apenas matam. Pelo sangue. E com muito, MUITO, sangue.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Aperte o Play