Animes

Blood-C

Nível Exemplar

Blood-C

Blood-C

Blood-C

Blood-C

Blood-C (Japão, 2011) é algo que poderia ser descrito como uma enganação bem engendrada de EXPLODIR CÉREBROS — literalmente! Não é exatamente uma história de terror, mas é provavelmente algo próximo de uma história COMPETENTE de terror, que de um começo simplório e maçante se converte numa trama insanamente violenta e mórbida.

A história, escrita pela CLAMP e dirigida por Tsutomu Mizushima, acompanha Saya Kisaragi, uma garota aparentemente normal, com um jeito desajeitado e gentil. Porém, isso é apenas durante o dia. Durante, Saya torna-se uma exímia caçadora de demônios que precisa enfrentar monstros antigos conhecidos como Furukimonos. A missão de Saya, no entanto, não é apenas o simples extermínio de demônios como pode parecer à primeira vista.

O anime começa com toques de comédia escolar, com episódios do tipo “monstro do dia” que sempre terminam com a personagem Saya enfrentando um monstro bizarro, que ela mata com requintes de crueldade e sanguinolência. A parte da crueldade e da sanguinolência é impactante e chama a atenção para a história; o problema é a parte da comédia escolar. Pora causa dessa parte, o começo é muito, MUITO, chato. É quase um tiro na cabeça de tão chato, motivo pelo qual eu quase desisti da série no segundo episódio achando que se tratava de um dos piores animes que já tinha visto.

Mas, vamos lá, comecemos pela abertura e pela música de abertura. Normalmente, parto de um teoria simples que animes com aberturas/músicas de abertura fodas tem potencial pra serem igualmente fodas. Não acontece sempre, mas na maioria das vezes é o caso. Blood-C tem uma abertura repleta de imagens alucinantes conduzida pela excelente Spiral, da banda DUSTZ. Por isso, resolvi dar uma chance. E acertei na decisão.

O grande problema de Blood-C é que a série tem um ritmo terrível em seus primeiros três episódios. A história transcorre de forma tão lenta que a experiência de assisti-los é absurdamente maçante, de um nível de tédio como não me lembro de já ter sentido antes vendo um anime. O padrão é sempre o mesmo: baboseiras sem graça dos colegas de escola de manhã e enfrentar um monstro de noite. Os combates com os monstros iniciais até são interessantes, mas como acontecem só no final do episódio, o saco já está tão preenchido, que fica difícil se empolgar com eles. Por isso que quase desisti.

Mas depois do quarto, a coisa muda. COMPLETAMENTE. Sim, o começo é chato pra caralho, mas se você conseguir resistir com toda a sua paciência, a recompensa virá na segunda metade da série. O anime começa a traçar um caminho MUITO foda de loucura, deturpação e violência! Até certo ponto, parece até mesmo meta-linguagem para a própria forma de fazer animes, uma vez que quebra os padrões recentes de animes bonitinhos com personagens colegiais estereotipados e transforma a história num show de horrores que culmina na promessa de um épico de vingança com toques de conspiração — que remete bastante ao filme original, Blood: The Last Vampire. Aliás, Blood-C, ao contrário de sua antecessora Blood+, parece dar uma continuidade mais efetiva ao filme original, mostrando (em seus momentos finais) uma Saya mais parecida com a Saya do filme e um nível absurdo de violência gráfica — embora Blood-C ainda acrescente boas doses de violência psicológica. Isso sim é terror. A série testa sua paciência com besteiras, faz o possível pra te deixar anestesiado no começo, e mexe com sua cabeça no final. É tão foda, que a monotonia inicial torna-se facilmente aceitável!

A parte complicada é a parte da escola, com personagens imbecis que comem, cochilam na sala de aula, falam coisas desconexas e admiram uns aos outros por qualidades nem sempre existentes. Todos os colegas de classe de Saya parecem reflexos rasos dos próprios estereótipos de personagens que a CLAMP tornou popular. Como eu disse, é cansativo acompanhá-los, porque aqui as caricaturas desses personagens são elevadas ao extremo. Mas, o final do anime chega e você entende que a proposta por trás desses estereótipos é muito maior. Há uma razão para os personagens serem como são, e quando essa razão é revelada, uma salva de palmas para a CLAMP por ser tão eficiente ao parodiar a si mesma de forma grotesca e nos iludir no processo!

O terror aqui não se trata apenas da sanguinolência, mas da atmosfera, apresentada de forma bastante densa e misteriosa, com monstros devoradores de humanos que espreitam nas sombras e parecem imbatíveis. A ação surge quando Saya nos apresenta formas de matá-los e o faz com precisão assombrosa. Mas, apesar de toda a ação, Blood-C é inteligente por compreender perfeitamente — melhor até mesmo do que Blood: The Last Vampire ou Blood+ — os aspectos de terror de sua história. São longas tomadas de suspense angustiante até que os monstros se revelem, e quando o fazem, litros e mais litros de sangue são derramados — de causar inveja em qualquer Elfen Lied da vida.

Ao contrário dos pseudo-vampiros das versões anteriores, Blood-C busca inspirações na própria mitologia japonesa para seus monstros, misturando referências à Yokais e Bakemonos e transformando os Furukimonos em criaturas vindas dos piores pesadelos do povo japonês. Por outro lado, Saya é mostrada como uma guerreira veloz e devastadora, apesar de seu jeito desastrado quando vive sua vida mundana. A Saya que vemos lutando é a Saya inteligente e impiedosa que conhecemos em Blood: The Last Vampire — e é uma caçadora mais extremista e poderosa do que a versão apresentada pelo anime Blood+. Tudo nesse anime se move e sangra em meio às sequências de combate espetaculares, com um nível de ação visceral e de cair o queixo.

A cidadezinha onde vive Saya — e não é spoiler dizer isso — é uma fachada para algo maior e mais complexo. Se você gosta de filmes de terror, você sabe que cenários idílicos demais, onde todos são certinhos, bonitinhos e felizes, sempre escondem as coisas mais feias e macabras por baixo de sua beleza. Você pode achar que se trata apenas de monstros devoradores de humanos. Mas creia que, muitas vezes, os humanos podem ser criaturas mais feias e vis do que monstros fantásticos. O nível de violência beira a misantropia, enquanto o final do anime despeja toda essa fealdade desprezível na tela, fazendo com que até mesmo o menor dos detalhes de cada episódio chato do começo assuma um significado diferente — que, como eu disse, torna a monotonia inicial aceitável. Sem a violência excessiva, aliás, as coisas provavelmente não teriam o mesmo impacto, o que torna a sanguinolência sádica desenfreada dos episódios finais essencial para o anime e tudo o que ele representa em termos de trama, crítica social e terror. Tudo isso com o providencial toque vermelho que só uma boa história de vampiros pode ter.

O final, no entanto, não é um final verdadeiro. O anime termina em aberto, para ser concluído no filme Blood-C: The Last Dark, que deve resolver todos os cliffhangers da série.

Blood-C não é exatamente o tipo de anime, ou história, que agrada a todos, mas é louvável ver como é um belo tapa na cara na forma estereotipada de se contar histórias em animes atualmente. Apenas por isso, valeria a pena. Sim, a trama podia ter sido contada em menos tempo, e o excesso de enrolação inicial prejudica uma série de apenas 12 episódios. Mas se você é capaz de ignorar os defeitos em prol do conjunto da obra, é tão paciente a ponto de ser indulgente, entende o objetivo apesar da execução ensandecida, e aprecia violência excessiva em animes; provavelmente, vai adorar a experiência de assistir a Blood-C. Apesar de tudo, ainda é uma tremenda história de terror e vampiros. Ah, e Saya, é bom tê-la de volta em toda a sua sanguinolência vampírica.



Compartilhe este Post

Posts Relacionados



  • Leticia Camila

    Cara escreveu tudo que eu penso kkk
    Na verdade ainda nem acabei o anime, parei justamente no ep 3 pensando ¨Cara como um anime com a abertura tão foda tem que ser tão merda¨, fiquei de saco cheio dos personagens e as lutas no final até perderam a graça por isso, parece ser trabalhado que nem Madoka Magica, tudo no começo sendo fofo e no final é algo totalmente ao contrário (não achei Madoka nem um pouco pesado mesmo depois de o ter visto todo), já vi as cenas gores de blood C mil vezes, pensei que seria algo desconexo e sem sentido só querendo causar espanto, mas pela sua review vou dar uma segunda chance, espero que a história seja boa

Inscreva-se no Canal

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Siga no Bloglovin’

Follow

Vem Com a Gente

Curta e Compartilhe

Aperte o Play

Nível Épico em Imagens