Você Viu?

O Abrigo

Nível Exemplar

O Abrigo

O Abrigo

O Abrigo

O Abrigo

O Abrigo (Take Shelter, EUA, 2011) apresenta uma angústia não proveniente da dúvida, mas da certeza inegável de que algo terrível se aproxima. E o faz de forma sensacional!

Dirigido por Jeff Nichols, a trama mostra o personagem Curtis (interpretado por Michael Shannon), morador de uma pequena cidade do estado de Ohio que começa a ser atormentado por visões apocalípticas em seus sonhos. Neles, ele é atacado por seu cão ou por pessoas desconhecidas, pássaros caem mortos do céu e uma chuva grossa e laranja desaba.

Todos começam da mesma forma: com o surgimento de uma tempestade. Mas uma tempestade de proporções nunca antes vistas. Pouco a pouco, esses sonhos começam a atormentá-lo e afetar sua família: sua esposa Samantha (Jessica Chastain) e sua filha Hannah (Tova Stewart). Curtis permanece inquieto o tempo todo, tem ataques de pânico no trabalho e começa a gastar dinheiro desenfreadamente para ampliar seu abrigo antifuracões. Dinheiro que foi cuidadosamente juntado para a cirurgia que pode curar a surdez de sua filha.

Porém, há mais um elemento. A mãe de Curtis foi diagnosticada aos trinta anos com esquizofrênica paranoica, ainda quando Curtis era pequeno. Portanto ele sabe – e daí vem sua grande dúvida – que pode estar ficando louco. Mas seriam seus sonhos loucura, ou visões proféticas? Tal dúvida o angustia, afeta sua família e destrói suas amizades. Quanto mais Curtis luta, mais ele é a causa da desgraça que se apodera de sua esposa e sua filha.

Como qualquer loucura, tudo parece errado somente no começo. Quanto mais a loucura progride, mais real ela parece e logo tudo faz sentido. É através da magnífica atuação de Michael Shannon que nós observamos a derrapada de um homem comum à beira do precipício que separa a sanidade da escuridão. E Shannon o faz com tamanha sutileza, que pouco a pouco você se vê envolvido em sua história e seu dilema. Dilema que pouco a pouco desaparece, sendo substituído por uma indubitável verdade: de que algo terrível está chegando.

Tudo parece de certa forma ter saído da mente de M. Night Shyamalan ou algo parecido: uma família comum dos Estados Unidos que se vê diante de forças que ela não consegue controlar. A diferença portanto, está na abordagem de Nichols, que leva a narrativa para o lado psicológico e não sobrenatural. Mas o clima é o mesmo. Nichols leva seu tempo construindo e articulando a derrocada de Curtis para o mundo da loucura. Até a música de David Wingo é parecida com as composições de James Newton Howard para o diretor indiano.

O Abrigo é um filme perturbador. Perturbador pelo fato que Nichols nada esconde do espectador, que observa com precisão microscópica o fardo que Curtis tem que carregar, e a tentativa de sua família de apoiá-lo e superar esse processo. O final – fantástico! – é uma recoleta de tudo o que aconteceu até então. Isso é maestria cinematográfica. Do tipo que fica na cabeça muito tempo após o término da obra. Não por causa da dúvida que Curtis enfrenta. Não. Mas sim da certeza de algo terrível se aproxima.

PS: O filme foi lançado diretamente para DVD aqui no Brasil.

[bb]

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Inscreva-se no Canal

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Siga no Bloglovin’

Follow

Vem Com a Gente

Curta e Compartilhe

Aperte o Play

Nível Épico em Imagens