Séries

Ringer

Ringer

Nível Exemplar

Série Completa

Ringer (2011) é uma grata surpresa desta temporada de séries e trouxe de volta às telinhas uma das atrizes por quem eu tenho maior paixão desde a adolescência: a linda e gloriosa Sarah Michelle Gellar. Este é primeiro trabalho regular da atriz na TV desde Buffy: a Caça-Vampiros e, para alegrar as coisas, ela volta em dose dupla.

Inicialmente desenvolvida pela CBS, a série foi parar na CW e possui uma trama digna de novelão — na verdade, segundo uma amiga minha e pelo que já pude constatar, lembra a novela mexicana A Usurpadora.

Aqui no Brasil, Ringer está sendo exibida pelo canal pago Studio Universal, nas noites de segunda-feira, às 22h.

Sarah Michelle Gellar interpreta as gêmeas Bridget e Siobhan. Bridget é uma ex-stripper e ex-viciada que estava sob custódia do FBI para testemunhar contra o ex-chefe Bodaway Macawi (Zahn McClarnon), um chefão do crime típico. Temendo pela vida, Bridget engana os federais e foge, livrando o bandido da cadeia. Agora, o bandidão e o agente federal Victor Machado (Nestor Carbonell, que foi o Richard Alpert em Lost) estão atrás dela. Bridget pede ajuda à irmã Siobhan, que é rica e tem uma vida aparentemente perfeita. As duas encontram-se depois de seis anos separadas. Porém, durante um passeio de barco, Siobhan desaparece no mar.

Bridget vê na fatalidade uma chance de salvação e aproveita. Ela assume a identidade e a vida de Siobhan, mas descobre rápido que a irmã tinha vários podres escondidos e os próprios inimigos. Entram em cena as pendências da vida de Siobhan: o marido Andrew Martin (Ioan Gruffudd, que já foi o Sr. Fantástico e o Lancelot); o amante e marido da melhor amiga Henry Butler (Kristoffer Polaha, que é a cara do Mark Ruffalo); e a enteada que odeia a madrasta com todas as forças Juliet (Zoey Deutch). Há ainda a única pessoa em que Bridget confia integralmente, o também ex-viciado e padrinho dela na reabilitação Malcolm Ward (Mike Colter).

Como já deu para ver, a vida de Bridget não é fácil. Sério, ela só se dá mal o tempo todo e vive sob um “efeito bola de neve” constante. Além de ter que lidar com os próprios problemas, Bridget vê-se envolvida com os problemas da irmã, que era uma tremenda filha-da-puta! Na verdade, Ringer não tem muito aquele negócio de gêmea boa, gêmea má. As duas irmãs são inescrupulosas e as duas têm sentimentos divergentes com relação aos próprios objetivos; nenhuma das duas é totalmente boa ou má.

A sacada, que impede a série de se tornar um dramalhão mexicano completo, é a intriga e a quantidade absurda de reviravoltas que a trama dá. Sim, são muitas. Todo final de episódio rola um cliffhanger que te deixa ansioso pelo próximo. O tapete é puxado tantas vezes sob nossos pés que a cabeça explode de tanto bater no chão. Só no episódio piloto são várias viradas consecutivas no período de uma hora — não dá tempo de respirar direito.

Ringer acertou em cheio ao usar uma proposta que anda em alta — a premissa do doppelganger, que tem aparecido em Fringe e The Vampire Diaries. A série apresenta uma temática mais adulta e, até certo ponto, decadente. Aliás, tudo nela é decadência, é chegar ao fundo do poço e reerguer-se e afundar de novo.

A história é muito boa, desvendando mistérios aos poucos e lançando outros — só espero que não se perca no caminho. O trabalho de Sarah Michelle Gellar é bastante consistente, com uma Bridget emotiva na medida certa e uma Siobhan fria na medida certa. E o elenco de apoio não tem elos fracos.

Um detalhe que eu particularmente adorei são os nomes, que parecem ter sido pensados minuciosamente para destacar cada personagem. Bodaway Macawi é um nome de gangster para lá de curioso. Bridget é irlandês e tem um aspecto religioso, bem a cara da protagonista, que assume o papel de mártir na história, além de ser um nome popular no Estados Unidos. Mas o que eu adorei de verdade é Siobhan, que também é irlandês. Eu passei dias repetindo esse nome cada vez que era pronunciado. Que nome foda! Siobhan, Siobhan, Siobhan… é, sou um idiota!

Enfim, Ringer está apenas no começo. Muitas reviravoltas de explodir cabeças ainda virão. Pode parecer um novelão, porém é mais do que isso. É uma série deliciosa, cheia de intrigas complexas e personagens tridimensionais. Tem tudo para manter o público interessado. Difícil saber o que está por vir. Mas, o que eu espero é que tenha uma vida longa na TV.

Vida longa à Siobhan!

Não me canso desse nome.

Compartilhe este Post

Posts Relacionados



Resenhas Populares

Carrie, a Estranha

Carrie, a Estranha

Nasce Uma Estrela

Nasce Uma Estrela

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Aperte o Play