Leia Mais

A Guerra dos Tronos

Nível Épico

A Guerra dos Tronos

A Guerra dos Tronos

MAGNÍFICO… é apenas um dos adjetivos que poderiam ser usados para descrever uma das mais impressionantes sagas de fantasia já contadas na literatura. A fantasia nunca foi um gênero dos mais preferidos pelo mercado ou mesmo pelos leitores e somente recentemente começou a ganhar destaque no gosto popular. As Crônicas de Gelo e Fogo (A Song of Ice and Fire) é, provavelmente, uma das razões deste interesse, por muitos motivos. Já contei aqui em outro post o quão difícil foi para eu ter esta saga em mãos antes da Editora Leya (sua linda!) lançar o primeiro livro aqui no Brasil. Pois bem, graças a isto, ler As Crônicas se tornou, para mim, não só uma necessidade primordial como uma questão de honra. E honra, diga-se de passagem, é um dos elementos primordiais que movem a trama; não só honra, mas também traição, amor, ódio, vingança, intriga, heroísmo… uma profusão de sentimentos que tornam a história mais humana e mais próxima de seus leitores, apesar de seu cenário fantástico. Todavia, acima de tudo, As Crônicas de Gelo e Fogo é um ÉPICO!

A Guerra dos Tronos (A Game of Thrones, 1996), primeiro livro de uma série de (teoricamente) sete, é aquele tipo de leitura que prende o fôlego da primeira página até a última… e olha que são singelas 562. É o tipo de livro que pode ser lido em uma ou duas semanas, mas o prazer de degustá-lo, ler cada minúcia, conhecer os milhares de personagens e desbravar cada parte do mapa do mundo, faz com a leitura demore… pelo simples prazer da demora. Sério. O autor George R.R. Martin consegue transportar o leitor para dentro de seu mundo com primor de detalhes, em descrições que te deixam com água na boca e excitação (e não estou falando só das cenas mais sensuais). A história explora uma era de decadência, quando os elementos fantásticos que uma vez povoaram o mundo se perderam e tornaram tudo mais soturno e sombrio. A graça e a magia deram lugar as guerras e intrigas impetradas pelos humanos. Seres místicos como os dragões estão extintos e são citados apenas como aquelas lendas em que ninguém acredita. A magia, se é que ela existe de verdade, é temida e, para muitos povos, odiada. Isto sem mencionar os Andarilhos Brancos (traduzido aqui como os Outros). Tudo em A Guerra dos Tronos exulta uma realidade crua e sombria, que trabalha seus personagens com uma certa proximidade do nosso mundo real, embora se passe num mundo fictício. Ao longo do caminho, no entanto, viajamos por uma estrada perigosa e intrigante, com diversas reviravoltas e caminhos inesperados. George R.R. Martin é, definitivamente, um dos autores mais imprevisíveis de que consigo me lembrar. Ele te pega pela mão e te conduz por onde ele deseja te levar, mas é impossível saber em que terreno você está pisando e qual vai ser o seu real destino. De repente, você já está com as calças na mão, fascinado (e, muitas vezes, furioso) com os resultados da história, mas embasbacado com a forma como a trama é conduzida. Não obstante, personagens apaixonantes são apresentados, desenvolvidos, enlevados e enfraquecidos e, com o desfile de constante de suas qualidades e defeitos, somos pegos adorando seus feitos, ao mesmo tempo em que não podemos sequer nos dar ao luxo de nos apegarmos demais a eles. Este conflito de interesses e emoções revela ainda mais da obra-prima que é A Guerra dos Tronos. Apenas esteja certo de que você não vai conseguir parar de ler antes de terminar e, quando o fizer, terá um desejo insaciável pelo próximo livro. Esta é a magia de As Crônicas de Gelo e Fogo.

Na história, somos apresentados aos Sete Reinos do continente de Westeros, situado num mundo de conceitos medievais, onde as estações não são definidas. Longos anos de um verão quente são normalmente prosseguidos por um inverno igualmente intenso; quanto mais tempo de verão, mais tempo de inverno… e o último verão já dura dez anos. Agora, “O inverno está chegando”, como prenuncia a Casa Stark, os grandes regentes das terras do Norte, Winterfell. Os membros da família proferem este lema com pesar, cientes de que tempos difíceis virão. Além do frio metafórico do inverno, Westeros ainda enfrenta a temperatura gélida comum à região norte do continente, um lugar onde árvores têm rostos e as crianças andam ao lado de lobos gigantes que estão vinculados aos seus destinos. Winterfell está localizado ao sul de uma imensa Muralha que separa os Sete Reinos de florestas selvagens e sombrias. Para lá deste muro de gelo, bárbaros perigosos espreitam e forças sobrenaturais desconhecidas, tão antigas quanto o próprio mundo, estão se reerguendo, trazendo uma ameaça maior do que qualquer um é capaz de imaginar. Os Outros, como são chamados, são aparentemente mortos-vivos ligados ao frio, com peles esbranquiçadas e olhos azuis brilhantes. São seres míticos na trama e que, como os mitos que são, aparecem apenas raramente e de forma contida, o que evidencia ainda mais a natureza enigmática das criaturas. Embora o prólogo do livro seja centrado no aparecimento destes seres, eles não são muito explorados ainda. O autor parece querer deixá-los misteriosos para surgirem com mais força quando os elementos mais sobrenaturais ganharem força, o que já deve acontecer a partir do segundo livro: A Fúria dos Reis (1998).

Nesta primeira parte desta grande saga, o foco são os jogos de poder entre as Casas que governam (ou governaram) o continente. A trama começa efetivamente com a ida do Rei Robert Baratheon para Winterfell. A antiga Mão do Rei (leia-se “braço direito”), Jon Arryn, morreu e ele vêm até o Norte para convidar um velho amigo, Lorde Eddard Stark, para se tornar a nova Mão. O Lorde Stark não gosta da ideia à princípio, mas descobre que o rei pode estar em perigo e, como um homem honrado e um amigo leal, decide aceitar o fardo. A partir deste ponto, toda sua família é envolvida, direta ou indiretamente, no jogo dos tronos, uma terrível rede de intrigas e conspirações na qual apenas os astutos podem sobreviver. O grande problema para Ned Stark, como também é conhecido o senhor de Winterfell, o Rei Robert não é mais o velho amigo com quem ele lutou junto para conquistar o trono do reino há quinzes anos. Ele se tornou um soberano negligente que, mesmo rodeado por segredos e complôs, não está preocupado com seu governo ou com ambições da perigosa família de sua esposa, a Rainha Cersei Lannister.

O livro trabalha com uma narrativa para lá de interessante, mostrando alternadamente os pontos de vista de personagens importantes para o desenrolar da história como capítulos, ao invés de usar a convencional divisão numerada. Uma narrativa ousada, devo admitir, mas respeitável e envolvente. Desta forma, os personagens ganham mais profundidade e tornam-se mais tridimensionais para o leitor. Não existe um protagonista definido e mesmo que um leitor se apegue a um ou outro como principal, logo ele percebe que TODOS são peças indispensáveis no jogo. Alguns são mais desenvolvidos, outros menos, mas, partindo da premissa de que existem ainda muitos livros, é certo que personagens menos explorados ganharam destaque no futuro. Assim, acompanhamos os oito pontos de vistas de: Eddard Stark, o supracitado senhor de Winterfell; Catelyn Stark, a destemida esposa de Eddard e uma das personagens que mais evoluem durante a trama; Jon Snow, o bastardo da família Stark, visto como um pária, mas respeitado por seu pai, irmãos e amigos (um personagem realmente admirável); Arya Stark, a filha mais nova, que possui um espírito rebelde e corajoso e que nunca aceita as convenções que tentam lhe impor (para mim, é a personagem mais cativante do livro); Sansa Stark, a filha mais velha que sonha em casar com o filho do rei e ser rainha (é tão irritante que dá raiva em alguns momentos); Bran Stark, o filho mais novo de Ned, que tem um ponto de vista inusitado, mas pouco desenvolvido; Tyrion Lannister, o anão, um homem que, apesar da estatura baixa, possui inteligência e sagacidade gigantescas e nunca deixa claro de que lado realmente está; por fim, Daenerys Targaryen, uma menina doce e ingênua que é a herdeira do rei cujo trono foi usurpado por Robert e supostamente descendente dos dragões, mas que se torna forte e determinada à medida que descobre sua herança em meio aos brutais dothrakis. Daenerys é, de longe, a personagem que tem o melhor final no livro e a que deixa mais expectativa para as próximas histórias.

O autor norte-americano conseguiu criar sua história usando a temática da fantasia medieval de uma forma incomparável e, sobretudo, contemporânea. Martin é um escritor dos tempos modernos, que ascendeu trabalhando no cinema e na TV e, por isso, lançou um olhar diferente sobre um assunto já recheado por estereótipos. As Crônicas de Gelo e Fogo desconstrói muitos padrões conceituais deste tipo de narrativa com maestria. Muito se fala sobre a semelhança com O Senhor dos Anéis (1954) e, de fato, é impossível não tentar comparar as duas obras. São histórias parecidas na medida em que acontecem em mundos medievais fantásticos, repletos de seres estranhos, superstições e magias antigas. Porém, as semelhanças param por aí. Enquanto J.R.R. Tolkien apresenta uma escrita mais poética e heróica, George R.R. Martin é mais áspero e desprovido de pudores ou convenções na condução de sua trama. Martin descreve lutas, morte, sexo, incesto, traições sem qualquer parcimônia, com uma liberdade de expressão mais condizente com o mundo contemporâneo. As Crônicas de Gelo e Fogo e O Senhor dos Anéis são duas obras excepcionais, mas com histórias diferentes, escritas com princípios diferentes e em tempos diferentes. No entanto, é óbvio que Martin extraiu influências de Tolkien. Na verdade, uma influência ainda mais adequada seria com o realismo sujo de As Crônicas de Artur (1995), de Bernard Cornwell.

A Guerra dos Tronos é apenas uma pequena parcela da grande saga que é As Crônicas de Gelo e Fogo. O livro vicia e, apesar da quantidade de páginas e da fonte miúda, traz uma leitura agradável e que vai prender você do começo ao fim. Pode acreditar, você fica tão ávido por saber o que vem a seguir que, quando se dá conta, já está na última página desesperado por mais. A Guerra dos Tronos é leitura obrigatória não só para os fãs da fantasia, mas para qualquer amante da literatura. Se você ainda não leu, leia agora! Se já leu, você é um felizardo e, assim como eu, deve estar sofrendo com a velha maldição (ou benção?!) do leitor de fantasia: a ansiedade incontrolável pelos próximos livros.

“Quando se joga o jogo dos tronos, ganha-se ou morre”.



Compartilhe este Post

Posts Relacionados



  • Milena

    Amei a sua resenha! E estou muito ansiosa para ler o livro!

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Obrigado!

      Leia sim. Você vai adorar… e ficar louca de ansiedade pelos próximos. :-)

  • Guilherme

    Esse livro é excelente. Um page turner da melhor qualidade. Sem dúvidas vale muito a pena ler. Já leu A Fúria dos Reis?

    • http://www.nivelepico.com/ Alan Barcelos

      Fala, Guilherme…

      Ainda estou lendo A Fúria dos Reis. Andei meio sem tempo e só agora consegui pegar o livro pra ler. E pretendo terminar antes de começar a segunda temporada da série.

      Estou gostando muito! Quando terminar, vou escrever uma resenha sobre ele também. :-)

  • Albertino

    Realmente excelente! Um livro q nos prende. já li o n 1, comecei o 2 e o 3 já está na estante me aguardando. Obg. Lene por eles.

  • Karina

    Me fascina a série, eu li que haverá sete temporadas, e eu não posso esperar para a estréia da quinta temporada na HBO, desde o início da sé e eu gostei, saudações. Parabéns D. B. Weiss fez esta série, a verdade que foi muito inteligente para realizar essa produção.

Inscreva-se no Canal

Resenhas Populares

Rogue One: Uma História de Star Wars

Rogue One: Uma História de Star Wars

It: A Coisa

It: A Coisa

Planeta dos Macacos: A Guerra

Planeta dos Macacos: A Guerra

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Animais Fantásticos e Onde Habitam

Raw

Raw

Siga no Bloglovin’

Follow

Vem Com a Gente

Curta e Compartilhe

Aperte o Play

Nível Épico em Imagens